Mancebo

Jacó trabalhou como pastor para Labão Durante sete anos para merecer a mão de sua filha Raquel, serrana bela. Mas se não a visse novamente, antes de a Terra girar quatro vezes mais ao redor do Sol, Jacó, dela, se lembraria? Tudo o que os olhos não viram, naquela época remota da juventude, o peito, …

Continue lendo Mancebo

Da ardósia

 Adiantaria lhe dizer Que o mais raro perfume É oferecido nos menores frascos? Ou que um bruto diamante, é reduzido ao ser lapidado, Até libertar seu lume E virar brilhante? Adiantaria falar que você é constituída Pela mesma matéria das estrelas? Que o macro contém o micro? Ou que até os maiores astros São formados por elementos tão …

Continue lendo Da ardósia

Cavaleiro Negro

  Bravo cavaleiro, em tua armadura prateada, Tu não sabes que tua força não te valerá de nada? Primeiro um velho dragão, Veio a nós cuspindo fogo, para raptar a donzela de nossa antiga morada, Mas, como era feiticeira,  Mudou o monstro terrível  em um monturo de brasa. Depois foi a vez de um feio …

Continue lendo Cavaleiro Negro

Se se morre de amor!

 Meere und Berge und Horizonte zwischen den Liebenden - aber die Seelen versetzen sích aus dem staubigen Kerker und treffen sich im Paradiese der Liebe. Schiller, Die Rüuber Se se morre de amor! — Não, não se morre, Quando é fascinação que nos surpreende De ruidoso sarau entre os festejos; Quando luzes, calor, orquestra e …

Continue lendo Se se morre de amor!

Ainda uma vez — Adeus

Gonçalves Dias I Enfim te vejo! — enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te, Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito penei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado A não lembrar-me de ti! II Dum mundo a outro impelido, Derramei os meus lamentos Nas surdas asas dos ventos, Do mar …

Continue lendo Ainda uma vez — Adeus

Doeu? Blogue

Muito bom o texto sobre os efeitos terapêuticos da escrita e de sua divulgação através dos blogs. Nota 10!

SOMENTE BOAS NOTÍCIAS

Da revista Mente & Cérebro:

A busca por uma vida mais saudável pode ser um dos motivos do enorme aumento do número de blogs. Estima-se que sejam cerca de 3 milhões por todo o planeta. Cientistas e escritores há anos conhecem os benefícios terapêuticos de escrever sobre experiências pessoais, pensamentos e sentimentos. Mas, além de servir como um mecanismo para aliviar o stress, expressar-se por meio da escrita traz muitos benefícios fisiológicos. Pesquisas mostram que com a prática da escrita é possível aprimorar a memória e o sono, estimular a atividade dos leucócitos e reduzir a carga viral de pacientes com aids e até mesmo acelerar a cicatrização após uma cirurgia. Um estudo publicado na revista científica Oncologist mostra que pessoas com câncer que escreviam para relatar seus sentimentos logo depois, se sentiam muito melhor, tanto mental quanto fisicamente, em comparação a pacientes que não se deram a esse trabalho.

Ver o post original 5 mais palavras

Somente boas notícias

Adorei este blog! Para quem quiser ser mais feliz, eu recomendo porque ele só traz boas notícias!

SOMENTE BOAS NOTÍCIAS

Há políticos honestos ? Certamente que sim. Mas quem são, e por quais critérios podemos julgar o trabalho de um parlamentar ? Para ajudar os eleitores, surgiu um site com o nome “Ranking dos Políticos”, que tem como objetivo oferecer informação para, de forma objetiva, ajudar as pessoas a votarem melhor, criando um ranking que usa dados públicos de diversas fontes para dar ou tirar pontos dos políticos brasileiros:

http://www.politicos.org.br/

Conheça a ideia e o trabalho deste grupo pelo vídeo abaixo:

Ver o post original

Terceira Visão

  Dentro do olho a lente Dentro da lente o olho! O mundo cabe inteiro nesta visão, mas se escolho o que quero ver, Se os olhos buscam apenas o que sabem que desejam, então à nossa alma chega apenas um flash fugaz da bela natureza!   Também completamos as ausências com nossa imaginação, Por saudade de …

Continue lendo Terceira Visão

Quando eu morrer – Pauliceia Desvairada

      Mario de Andrade Quando eu morrer quero ficar, Não contem aos meus inimigos, Sepultado em minha cidade, Saudade. Meus pés enterrem na rua Aurora, No Paissandu deixem meu sexo,   Na Lopes Chaves a cabeça Esqueçam. No Pátio do Colégio afundem O meu coração paulistano: Um coração vivo e um defunto Bem …

Continue lendo Quando eu morrer – Pauliceia Desvairada

Cacida da Mulher Estendida

Frederico Garcia Lorca Despida ver-te é recordar a terra. A terra lisa, limpa de cavalos. A terra sem um junco, forma pura ao futuro cerrada: argêntea fímbria. Despida ver-te é compreender a ânsia da chuva que procura débil talhe, ou a febre do mar de imenso rosto sem a luz encontrar de sua face. O …

Continue lendo Cacida da Mulher Estendida

O Barco Ébrio – Arthur Rimbaud

 Tradução de Ivo Barroso Como descesse ao léo nos Rios impassíveis, Não me sentia mais atado aos sirgadores; Tomaram-nos por alvo os Índios irascíveis, Depois de atá-los nus em postes multicores. Estava indiferente às minhas equipagens, Fossem trigo flamengo ou algodão inglês Quando morreu com a gente a grita dos selvagens, Pelos Rios segui, liberto …

Continue lendo O Barco Ébrio – Arthur Rimbaud

Olhos

Nada substituirá teus internos olhos! Não sabemos viver na certa estação. Corpo no inverno, espírito no verão. Impossível, ou incerto voltar num tempo que não é eterno e o passo perfazer até um gélido leito. Sem vãos remorsos de dar-se quase sempre na hora errada. Os seus olhos não me olhavam, E os meus viam quase nada. Só sobras …

Continue lendo Olhos