Terceira Visão

 

Dentro do olho a lente

Dentro da lente o olho!

O mundo cabe inteiro nesta visão,

mas se escolho o que quero ver,

Se os olhos buscam apenas o que sabem que desejam,

então à nossa alma chega apenas um flash fugaz da bela natureza!

 

Também completamos as ausências com nossa imaginação,

Por saudade de um sentido nunca visto.

 

Mas a lente se surpreende quando o porvir revela a verdade sem querer:

aquilo que quer uma aleatória sincronia

entre a mente, o mundo e a lente.

Quando eu morrer – Pauliceia Desvairada

 

English: Brazilian poet Mário de Andrade (far ...
Brazilian poet Mário de Andrade (far left) during his travel through Amazon rainforest, 1927.

 

 

Mario de Andrade

Quando eu morrer quero ficar,
Não contem aos meus inimigos,
Sepultado em minha cidade,
Saudade.

Meus pés enterrem na rua Aurora,
No Paissandu deixem meu sexo,

 

Na Lopes Chaves a cabeça
Esqueçam.

No Pátio do Colégio afundem
O meu coração paulistano:
Um coração vivo e um defunto
Bem juntos.

Escondam no Correio o ouvido
Direito, o esquerdo nos Telégrafos,
Quero saber da vida alheia,
Sereia.

O nariz guardem nos rosais,
A língua no alto do Ipiranga
Para cantar a liberdade.
Saudade…

Os olhos lá no Jaraguá
Assistirão ao que há de vir,
O joelho na Universidade,
Saudade…

As mãos atirem por aí,
Que desvivam como viveram,
As tripas atirem pro Diabo,
Que o espírito será de Deus.
Adeus.

Pico do Jaraguá, São Paulo, capital.

Cacida da Mulher Estendida

English: Lorca in white/Lorca en blancmyrtle l...
English: Lorca in white/Lorca en blancmyrtle looking (Photo credit: Wikipedia)
Federico Garcia Lorca
Federico Garcia Lorca (Photo credit: Barquisimeto – Ciudad Crepuscular)

Frederico Garcia Lorca

Despida ver-te é recordar a terra.
A terra lisa, limpa de cavalos.
A terra sem um junco, forma pura
ao futuro cerrada: argêntea fímbria.

Despida ver-te é compreender a ânsia
da chuva que procura débil talhe,
ou a febre do mar de imenso rosto
sem a luz encontrar de sua face.

O sangue soará pelas alcovas
e virá com espada fulgurante,
mas tu não saberás onde se oculta
o coração de sapo ou a violeta.

Teu ventre é uma luta de raízes,
teus lábios, uma aurora sem contorno,
por sob as rosas tépidas da cama
os mortos gemem esperando vez.

Federico García Lorca, in ‘Divã do Tamarit’
Tradução de Oscar Mendes