Amar

Carlos Drummond de Andrade Que pode uma criatura senão,entre criaturas, amar?amar e esquecer, amar e malamar,amar, desamar, amar?sempre, e até de olhos vidrados, amar? Que pode, pergunto, o ser amoroso,sozinho, em rotação universal,senão rodar também, e amar?amar o que o mar traz à praia,o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,é sal, ou …

Continue lendo Amar

Destaque

Literatura em travessia

"O real não está na saída nem na entrada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia." Guimarães Rosa Literatura em Travessia - criando novos caminhos é um projeto com uma série de conversas relacionadas ao segmento e o contexto atual. Pretende trazer a visão de mulheres e jovens envolvidos com o …

Continue lendo Literatura em travessia

A um ausente

Tenho razão de sentir saudade,tenho razão de te acusar.Houve um pacto implícito que rompestee sem te despedires foste embora.Detonaste o pacto.Detonaste a vida geral, a comum aquiescênciade viver e explorar os rumos de obscuridadesem prazo sem consulta sem provocaçãoaté o limite das folhas caídas na hora de cair.Antecipaste a hora.Teu ponteiro enlouqueceu, enlouquecendo nossas horas.Que …

Continue lendo A um ausente

Destaque

Nós

Thaís de Godoy Chegamos até aqui fomos longe demais... nossa vida tripla, ano após ano, nos uniu eu você e nós e os nossos nós nós dos nossos dedos tortos apontam um futuro incerto nos esquecemos de duvidar das nossas dúvidas de questionar nossos questionamentos... Alexandre ainda procura com sua espada aquele nó górdio que …

Continue lendo Nós

Carta aos reitores

Antonin Artaud Basta de jogo de palavras, de artifícios de sintaxe, de malabarismos formais; precisamos encontrar – agora – a grande Lei do coração, a Lei que não seja uma Lei, uma prisão, senão um guia para o espírito perdido em seu próprio labirinto. Além daquilo que a ciência jamais poderá alcançar, Ali onde os …

Continue lendo Carta aos reitores

O direito à tristeza – Contardo Calligaris

Laboratório de Sensibilidades

As crianças têm dois deveres. Um, salutar, é o dever de crescer e parar de ser crianças. O outro, mais complicado, é o de ser felizes, ou melhor, de encenar a felicidade para os adultos.Esses dois deveres são um pouco contraditórios, pois, crescendo e saindo da infância, a gente descobre, por exemplo, que os picolés não são de graça. Portanto, torna-se mais difícil saltitar sorrindo pelos parques à espera de que a máquina fotográfica do papai imortalize o momento. Em suma, se obedeço ao dever de crescer, desobedeço ao dever de ser feliz.A descoberta dessa contradição pode levar uma criança a desistir de crescer. E pode fazer a tristeza (às vezes o desespero) de outra criança, incomodada pela tarefa de ser, para a família inteira, a representante da felicidade que os adultos perderam (por serem adultos, porque a vida é dura, porque doem as costas, porque o casamento é tenso…

Ver o post original 483 mais palavras

Destaque

Interregno

Em memória de Paulo de Godoy Na hora da Lua Vazia, você nos abandonou! A lua cheia era uma cabeça pendurada no ar Perfeitamente alinhada a dois pingentes de diamantes. Você escolheu um lindo dia Você escolheu um lindo lusco-fusco Uma linda noite de indescritível silêncio capsular Você escolheu absoluto o silêncio Sem despedidas Sem …

Continue lendo Interregno