Fábula

 

 

 

 

 

As sobras, que o fazendeiro

Atirava à vara esfomeada,

Eram tão comedidas,

Que um dia os leitõezinhos fugiram.

Embrenharam-se na mata atrás

Dos aromas de fartas especiarias:

Trufas, cogumelos e ervas finas.

Porém, tudo estava desolado.

Nada restara sobre

a terra devastada.

Só havia o frio

e o uivo carniceiro

de matilhas famintas…

Quando tentaram voltar

ao seu antigo dono,

Já era tarde, viraram

alimento de lobo.

 

17-07-2012

Livro da Semana

Recomendo essa matéria sobre os contos de fadas, em suas versões originais, nas quais se basearam os irmãos Grimm, postada no blog Cultura no Prato. Sugiro também a matéria da Revista Bravo de José Geraldo Couto, Infância Apimentada sobre o livro: Contos Maravilhosos Infantis e Domésticos, de Jacob e Wilhelm Grimm. Tradução de Christine Röhrig. Ilustrações de J. Borges. Editora Cosac Naify.

Cultura no Prato

Contos sem cortes

 

Fiquei pasmo e absorto quando soube o verdadeiro desfecho do conto infantil do ‘sapo que vira príncipe’. Onde já se viu tamanha audácia em uma narrativa destinada às crianças, pensei com meus botões.  Esses irmãos Jacob (1785-1863) e Wilhelm Grimm (1786-1859), nascidos na Alemanha, bem que tentaram radicalizar, mas tiveram suas histórias amenizadas por outros escritores. Por conta disso, hoje conhecemos Branca de Neve, A Bela Adormecida, João e Maria, Rapunzel em edições ‘light’, que ganharam até animações na Disney.

No entanto, eis que as páginas do recém-lançado Contos Maravilhosos Infantis e Domésticos, com tradução de Christine Röhrig e introdução do professor de Teoria Literária na Universidade de São Paulo, Marcus Mazzari, chegaram para botar os pingos nos ‘is’. Não, não era como a gente imaginava, a Rapunzel tentou esconder sua gravidez de gêmeos enquanto o tal sapo não foi beijado para…

Ver o post original 86 mais palavras