Destaque

Apenas palavras

As palavras são nada. Em si, carecem de sentidos, se os gestos não as acompanharem. Assim calar é louvável a alguns algures. Imprudência confiar nas palavras, já que quem mente mergulha a todos em fantasia? Sonha que a todos ludibria? Para si, ciladas cria? Mas não ilude plenamente: há uma gota de verdade em cada mentira. …

Continue lendo Apenas palavras

Enem 2019

No Enem 2019:  -A terra será plana;  -O nazismo será de esquerda;  -Em 1964, não haverá Golpe Militar;  -A Ditadura Militar será uma democracia forte;  -A Matemática começará na Bíblia;  -O triângulo será uma quase reta;  -O aquecimento global será uma conspiração comunista;  -Os políticos serão Jesus Cristo;  -Lugar de criança será na fábrica e na …

Continue lendo Enem 2019

Ozymândias de Percy Shelley

Trad. André Vallias. [2015] em: Acontecimentos, 12/03/15, em Escamandro. Disse o viajante de uma antiga terra: “Duas pernas de pedra, no deserto, Despontam gigantescas, e bem perto Há um rosto destroçado que descerra Os lábios num sorriso de comando Que atesta: o escultor leu com mestria Paixões que na matéria inerte e fria A mão …

Continue lendo Ozymândias de Percy Shelley

Destaque

A arma

Serpenteio sobre o seu corpo inerte E sinto seus cílios roçarem meu braço. Estica seus braços, com eles me envolve. Ouço seu coração e, nisso, me refaço. Caio no lago dos seus olhos e, neles, nado. Corro por vales, montanhas, me embrenho em florestas, Descanso em seu regaço: Dali só saiu quando sua arma tiver …

Continue lendo A arma

Destaque

Revolução de Jasmim, in memoriam de Mohamed Bouazizi

ثورة الياسمين   A púrpura tirou-lhe o pão E a humilde banca de frutas. Sem meios para o sustento, Azizi vende dor "a todos aqueles que sonham com a liberdade".   Nos muros, palavras oníricas viraram concreto pelo concreto Ou virarão algum dia? Ele imaginou o saldo de seu gesto? Se soubesse, novamente se imolaria? …

Continue lendo Revolução de Jasmim, in memoriam de Mohamed Bouazizi

Consoada

Consoada Manuel Bandeira Quando a Indesejada das gentes chegar (Não sei se dura ou caroável), talvez eu tenha medo. Talvez sorria, ou diga: — Alô, iniludível! O meu dia foi bom, pode a noite descer. (A noite com os seus sortilégios.) Encontrará lavrado o campo, a casa limpa, A mesa posta, Com cada coisa em …

Continue lendo Consoada

Consolo na Praia

Carlos  Drummond de Andrade Vamos, não chores. A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis carro, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas …

Continue lendo Consolo na Praia

Vampiro de Charles Baudelaire

VAMPIRO Tu que, como uma punhalada Invadiste meu coração triste, Tu que, forte como manada De demônios, louca surgiste, Para no espírito humilhado Encontrar o leito ao ascendente, - Infame a que eu estou atado Tal como o forçado à corrente, Como a seu jogo o jogador, Como à garrafa o beberrão, Como aos vermes …

Continue lendo Vampiro de Charles Baudelaire

Belo belo

Manuel Bandeira Belo belo minha bela Tenho tudo que não quero Não tenho nada que quero Não quero óculos nem tosse Nem obrigação de voto Quero quero Quero a solidão dos píncaros A água da fonte escondida A rosa que floresceu Sobre a escarpa inacessível A luz da primeira estrela Piscando no lusco-fusco Quero quero …

Continue lendo Belo belo