Mancebo

Jacó trabalhou como pastor para Labão Durante sete anos para merecer a mão de sua filha Raquel, serrana bela. Mas se não a visse novamente, antes de a Terra girar quatro vezes mais ao redor do Sol, Jacó, dela, se lembraria? Tudo o que os olhos não viram, naquela época remota da juventude, o peito, …

Continue lendo Mancebo

Da ardósia

 Adiantaria lhe dizer Que o mais raro perfume É oferecido nos menores frascos? Ou que um bruto diamante, é reduzido ao ser lapidado, Até libertar seu lume E virar brilhante? Adiantaria falar que você é constituída Pela mesma matéria das estrelas? Que o macro contém o micro? Ou que até os maiores astros São formados por elementos tão …

Continue lendo Da ardósia

Cavaleiro Negro

  Bravo cavaleiro, em tua armadura prateada, Tu não sabes que tua força não te valerá de nada? Primeiro um velho dragão, Veio a nós cuspindo fogo, para raptar a donzela de nossa antiga morada, Mas, como era feiticeira,  Mudou o monstro terrível  em um monturo de brasa. Depois foi a vez de um feio …

Continue lendo Cavaleiro Negro

Se se morre de amor!

 Meere und Berge und Horizonte zwischen den Liebenden - aber die Seelen versetzen sích aus dem staubigen Kerker und treffen sich im Paradiese der Liebe. Schiller, Die Rüuber Se se morre de amor! — Não, não se morre, Quando é fascinação que nos surpreende De ruidoso sarau entre os festejos; Quando luzes, calor, orquestra e …

Continue lendo Se se morre de amor!

Ainda uma vez — Adeus

Gonçalves Dias I Enfim te vejo! — enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te, Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito penei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado A não lembrar-me de ti! II Dum mundo a outro impelido, Derramei os meus lamentos Nas surdas asas dos ventos, Do mar …

Continue lendo Ainda uma vez — Adeus