Grogues

Alguns dos artistas abaixo foram considerados “poetas malditos” por viverem a margem da sociedade se recusando ou não conseguindo, simplesmente, a seguir as regras vigentes e por adotarem um estilo de vida fora das convenções sejam elas religiosas, políticas, ou das instituições as quais às vezes eles pertenciam. Alguns morreram prematuramente devido à vida boêmia, ao abuso do álcool, da tuberculose ou ao suicídio. O termo, poetas malditos, se aplica não só a poetas do século XIX como Rimbaud, Verlaine, Mallarmé e Baudelaire, mas também aos vanguardistas do início do XX. Seu símbolo de resistência é representado pela figura de Antígona, que embora fosse rebelde em relação ao arbítrio dos poderosos e de uma lei injusta que a proibia de enterrar seu próprio irmão, buscou seguir uma ética própria e ao desobedecer foi condenada à morte. Outros autores, como Rumi e Farid, surgiram muito antes de tal expressão ter sido criada, mas adotaram em sua poesia enalteciam o prazer, algo contrário às principais religiões de seu tempo. Dante, por exemplo, em a Divina Comédia se considera perdido e um candidato provável a ir para o Inferno, se não se emendasse. Aliás  Inferno é um lugar bastante interessante apesar do sofrimento, pois recebeu personagens conhecidos por seus excessos, o que sempre rende excelentes histórias. Eis aqui uma pequena seleção de textos de diversos autores a maioria rebeldes ou críticos da condição humana no mundo. Destino uma mesa à parte a eles; bebam à vontade!

I

Farid ud-Din Attar

Rumi

II

Safo de Lesbos

  • À Amada e convite de Alceu a Safo

Alceu de Metilene

II

Dante Alighieri

Fiódor Dostoievski

Honoré de Balzac

Arthur Rimbaud

Marguerite Duras

Juan de la Cruz

Federico Garcia Lorca

Pablo Neruda

Jorge Luis Borges

William Shakespeare

William Blake

Lord Byron

Percy Shelley

Edgar Allan Poe

Walt Whitman

T.S. Eliot

A CANÇÃO DE AMOR DE J. ALFRED PRUFROCK

Sthéfane Mallarmê

III

Joam Roiz de Castel-Branco

Eça de Queiroz

Camilo Pessanha

Flor Bela Espanca

IV

Gregório de Matos Guerra

Gonçalves Dias

Manuel Antônio Álvares de Azevedo

Aluísio Azevedo

Augusto dos Anjos

Mário de Andrade

Carlos Drummond de Andrade

Poema das Sete faces

Cruz e Sousa

Raquel de Queiroz

Rubem Alves


Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: