Destaque

Pessoa, meu amor

Pessoa, meu amor   Como declarar meu amor neste dia querido em que você nos presenteou com o dom de sua vida? Feliz aniversário, pessoa complicada e complexa! “Louco porque também quis grandeza qual a sorte não dá.” Você é o Encoberto também neste mesquinho mundo.   Quando voltará nosso messias da poesia? Estamos órfãos …

Continue lendo Pessoa, meu amor

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos).   Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar muito longe, para ao pé do …

Continue lendo Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio

Viver não é preciso

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: "Navegar é preciso; viver não é preciso".   Quero para mim o espírito desta frase, transformada a forma para a casar como eu sou:   Viver não é necessário; o que é necessário é criar. Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, …

Continue lendo Viver não é preciso

Inutilmente Parecemos Grandes

O mar jaz; gemem em segredo os ventos Em Eolo cativos; Só com as pontas do tridente as vastas Águas franze Netuno; E a praia é alva e cheia de pequenos Brilhos sob o sol claro. Inutilmente parecemos grandes. Nada, no alheio mundo, Nossa vista grandeza reconhece Ou com razão nos serve. Se aqui de …

Continue lendo Inutilmente Parecemos Grandes

A Casa Branca Nau Preta

A Casa Branca Nau Preta Álvaro de Campos Estou reclinado na poltrona, é tarde, o Verão apagou-se... Nem sonho, nem cismo, um torpor alastra em meu cérebro... Não existe manhã para o meu torpor nesta hora... Ontem foi um mau sonho que alguém teve por mim... Há uma interrupção lateral na minha consciência... Continuam encostadas …

Continue lendo A Casa Branca Nau Preta

Perdidos por 23 anos, textos inéditos de Fernando Pessoa são encontrados em uma garagem

Uma espécie de tesouro, uma caixa com textos inéditos de Fernando Pessoa foi encontrada na casa de uma sobrinha do pesquisador britânico Hubert Jennings, na África do Sul, morto há 23 anos. A descoberta foi feita em julho, mas só agora foi divulgada pela revista Pessoa Plural que publicou 25 poemas inéditos do autor. Dois …

Continue lendo Perdidos por 23 anos, textos inéditos de Fernando Pessoa são encontrados em uma garagem

O pastor amoroso

Alberto Caeiro I Quando eu não te tinha Amava a Natureza como um monge calmo a Cristo. Agora amo a Natureza Como um monge calmo à Virgem Maria, Religiosamente, a meu modo, como dantes, Mas de outra maneira mais comovida e próxima ... Vejo melhor os rios quando vou contigo Pelos campos até à beira …

Continue lendo O pastor amoroso

Tabacaria

Álvaro de Campos Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. Janelas do meu quarto, Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é (E se soubessem quem é, o que saberiam?), Dais para o mistério …

Continue lendo Tabacaria