Quando eu morrer – Pauliceia Desvairada

      Mario de Andrade Quando eu morrer quero ficar, Não contem aos meus inimigos, Sepultado em minha cidade, Saudade. Meus pés enterrem na rua Aurora, No Paissandu deixem meu sexo,   Na Lopes Chaves a cabeça Esqueçam. No Pátio do Colégio afundem O meu coração paulistano: Um coração vivo e um defunto Bem …

Continue lendo Quando eu morrer – Pauliceia Desvairada