Graciliano Ramos, livro reúne 81 textos inéditos – por luís antonio giron / são paulo.sp

“Garrancho – Achados inéditos de Graciliano Ramos” traz escritos de todas as fases do autor de “Vidas secas

PALAVRAS, TODAS PALAVRAS

 

“Garrancho – Achados inéditos de Graciliano Ramos” traz escritos de todas as fases do autor de “Vidas secas”

O escritor Graciliano Ramos, em foto de 1972, e a capa do livro "Garrancho - Achados inéditos de Graciliano Ramos" (Foto: Acervo Editora Globo e divulgação/Editora Record)O escritor Graciliano Ramos, em foto de 1972, e a capa do livro “Garrancho –
Achados inéditos de Graciliano Ramos”
(Foto: Acervo Editora Globo e divulgação/Editora Record)

Pesquisar textos desconhecidos de autores consagrados em revistas antigas e arquivos virou uma atividade reconhecida – e em plena moda. As efemérides dão a deixa para buscar novidades. Neste anos, saíram inéditos de contos e diários de Lúcio Cardoso e crônicas de Nelson Rodrigues, autores cujos centenários foram comemorados recentemente. Os 120 anos do escritor alagoano Graciliano Ramos (1892-1953), bem como os 60 anos de sua morte ano que vem, servem como ocasião para lançamento do livro Garrancho – Achados inéditos de Graciliano Ramos (editora Record, 378 páginas, R$ 49,90). O volume é o resultado de uma longa pesquisa de Thiago Mio Salla…

Ver o post original 260 mais palavras

Henri de Toulouse-Lautrec

Lautrec é um dos que mais merecem engajar-se neste boteco, teria inventado uma bebida chamada “Tremblement de Terre” (terremoto): uma mistura potente de 1/2 parte de absinto e 1/2 parte de conhaque, servido em copo de vinho sobre cubos de gelo ou batido com gelo em coqueteleira. É claro que ao beber isso e contrair sífilis não conseguiria …

Continue lendo Henri de Toulouse-Lautrec

William Shakespeare

SONETO LXXXVIII William Shakespeare Quando me tratas mau e, desprezado, Sinto que o meu valor vês com desdém, Lutando contra mim, fico a teu lado E, inda perjuro, provo que és um bem.   Conhecendo melhor meus próprios erros, A te apoiar te ponho a par da história De ocultas faltas, onde estou enfermo; Então, …

Continue lendo William Shakespeare

Percy B. SHELLEY (1792-1822)

The Flower That Smiles Today The flower that smiles today Tomorrow dies, All that we wish to stay Tempts and then flies, What is this world’s delight? Lightning, that mocks the night, Brief even as bright. Virtue, how frail it is! Friendship, how rare! Love, how it sells poor bliss For proud despair! But these …

Continue lendo Percy B. SHELLEY (1792-1822)

Os 100 benefícios da leitura

Projeto de leitura de 195 livros, através dos 195 países do mundo

A minha filha de 8 anos é uma grande leitora. Além de uma grande leitora, é também uma “pequena grande” escritora: ela está escrevendo uma história que a mamãe- coruja vai transformar num livro. Fico feliz com as notas máximas que ela tira em língua espanhola e redação no seu curso de 3ª série primária, mas fico radiante quando acontece uma coisa assim:

“- Mamãe, acende a luz do quarto que está um pouco lúgubre…”

– Aonde você aprendeu essa palavra lúgubre, filha?!”

– No livro que eu li, mami..”

Lúgubre?! Quantas vezes você usou essa palavra na sua vida ao invés de escuro, triste?!

Ela sempre solta palavras assim pouco usuais, mostrando que tem recursos, opções lexicais, tudo isso proporcionado pelo seu gosto pela leitura, coisa que eu fiz questão de fomentar desde quando ela era muito pequenininha: temos uma bela biblioteca em casa, vamos sempre…

Ver o post original 1.018 mais palavras

Vou; venha

 Colher o pomo de adão de seu Pomar de prazeres impensáveis.   Escale o monte e depois, cansado, Se enterre na cova que de Vênus nasce!   Podar a planta do meu pé para alçar voo E atingir o céu estrelado de sua boca.   Atravessar a maçã do rosto com seus dentes Até fazer …

Continue lendo Vou; venha

Sonho

Sonho Com o diabo se contorcendo, Ensanguentado  dos pés à cabeça, Como se tivesse saído de uma placenta. Ora corcoveava ora se esticava, Tentando ser liberado! Bem perto de mim. Bem longe de mim.   E alguém me dizia: _Pegue-o e leve-o a boca! Imaginei-me fazendo isso E, assim, ele se tornava Pequeno como um …

Continue lendo Sonho

Parte V – Escarrando no próprio prato

Bem, já disse que não havia esperanças de solucionar esses crimes, por isso o que sucedeu em seguida espantou a todos que tiveram notícias desta história. Nunca, nunca o assassino seria preso, não havia nenhuma pista, nenhuma testemunha, então o que aconteceu, até hoje é um mistério para qualquer um que é mau e quer …

Continue lendo Parte V – Escarrando no próprio prato

Parte IV – O nem-sei-que-diga

Hoje, Bragança é conhecida por seus dotes gastronômicos. Sempre ouvia as tias de minha mãe enaltecendo a manteiga produzida lá como a melhor do Estado ou, quiçá, do Brasil. E a linguiça bragantina, então: nada se compara ao seu aroma. Nas estradas que dão acesso a essa modesta localidade, os moradores vendem com orgulho a …

Continue lendo Parte IV – O nem-sei-que-diga

Continuação-Parte III – A busca

Os guardas, após examinarem bem a sede, disseram que os dois irmãos não haviam brigado e um assassinado o outro, como haviam pensado anteriormente. Notaram que havia três canecas de café sobre a mesa. Os irmãos receberam, portanto, alguma visita de pessoa conhecida. Certamente, essa visita havia assaltado o sítio e levado o outro irmão …

Continue lendo Continuação-Parte III – A busca

Parte III

A Busca Quando voltou a si, minha nona viu que já haviam chamado as autoridades locais que vasculhavam a casa. Correu para o campo aberto, onde as vacas pastavam na invernada, e começou a gritar: -Pedrinho, meu filho, por que matou teu irmão? Volta pra casa! Ainda o sangue escorria de sua cabeça. Depois de …

Continue lendo Parte III