Parte V – Escarrando no próprio prato

Bem, já disse que não havia esperanças de solucionar esses crimes, por isso o que sucedeu em seguida espantou a todos que tiveram notícias desta história. Nunca, nunca o assassino seria preso, não havia nenhuma pista, nenhuma testemunha, então o que aconteceu, até hoje é um mistério para qualquer um que é mau e quer …

Continue lendo Parte V – Escarrando no próprio prato

Parte IV – O nem-sei-que-diga

Hoje, Bragança é conhecida por seus dotes gastronômicos. Sempre ouvia as tias de minha mãe enaltecendo a manteiga produzida lá como a melhor do Estado ou, quiçá, do Brasil. E a linguiça bragantina, então: nada se compara ao seu aroma. Nas estradas que dão acesso a essa modesta localidade, os moradores vendem com orgulho a …

Continue lendo Parte IV – O nem-sei-que-diga

Augusto dos Anjos

VERSOS ÍNTIMOS Vês?!  Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão — esta pantera — Foi tua companheira inseparável! Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera. Toma um fósforo.  Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é …

Continue lendo Augusto dos Anjos