The Ballad of a Thin Man

The Ballad of a Thin Man Bob Dylan You walk into the room With your pencil in your hand You see somebody naked And you say, "Who is that man ?" You try so hard But you don't understand Just what you'll say When you get home. Because something is happening here But you don't …

Continue lendo The Ballad of a Thin Man

Consoada

Consoada Manuel Bandeira Quando a Indesejada das gentes chegar (Não sei se dura ou caroável), talvez eu tenha medo. Talvez sorria, ou diga: — Alô, iniludível! O meu dia foi bom, pode a noite descer. (A noite com os seus sortilégios.) Encontrará lavrado o campo, a casa limpa, A mesa posta, Com cada coisa em …

Continue lendo Consoada

O Corvo

Edgar Allan Poe traduzido por Machado de Assis Em certo dia, à hora, à hora Da meia-noite que apavora, Eu, caindo de sono e exausto de fadiga, Ao pé de muita lauda antiga, De uma velha doutrina, agora morta, Ia pensando, quando ouvi à porta Do meu quarto um soar devagarinho, E disse estas palavras …

Continue lendo O Corvo

“Lista” dos dez livros mais difíceis do “Mundo” ignora o Oriente

Listas sobre os livros mais relevantes do século, os mais criativos, os melhores do ano e os mais importantes de se ler antes de morrer. As relações são infinitas, embora muitas vezes bastante duvidosas, mas sempre populares no mercado editorial. A mais recente foi divulgada esta semana pelo jornal britânico The Guardian. O site literário …

Continue lendo “Lista” dos dez livros mais difíceis do “Mundo” ignora o Oriente

SONETO DO AMOR TOTAL

Vinicius de Moraes, Rio de Janeiro, 1951 Amo-te tanto, meu amor... não cante O humano coração com mais verdade... Amo-te como amigo e como amante Numa sempre diversa realidade. Amo-te afim, de um calmo amor prestante, E te amo além, presente na saudade. Amo-te, enfim, com grande liberdade Dentro da eternidade e a cada instante. …

Continue lendo SONETO DO AMOR TOTAL

O Velho do Restelo – Camões

Eis a arenga do Velho do Restelo contra as viagens marítimas e a ambição desmedida e corrupção dos portugueses no livro Os Lusíadas de Luis Vaz de Camões, poeta português:   94 Mas um velho, de aspecto venerando, Que ficava nas praias, entre a gente, Postos em nós os olhos, meneando Três vezes a cabeça, …

Continue lendo O Velho do Restelo – Camões

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia, Depois da Luz se segue a noite escura, Em tristes sombras morre a formosura, Em contínuas tristezas a alegria.   Porém se acaba o Sol, por que nascia? Se formosa a Luz é, por que não dura? Como a beleza assim se transfigura? Como o …

Continue lendo Nasce o Sol, e não dura mais que um dia

Com ajuda da literatura, morador de rua de BH vence o crack

Ago­ra po­e­ta, Roberto Nascimento se sus­ten­ta com a ven­da de seus dois li­vros e já pla­ne­ja lan­çar ou­tro postado em 19/12/2015 Paulo Henrique Lobato  Roberto Nascimento recuperou o sorriso e a autoestima ao domar a droga. Apoiado pela atriz e professora de literatura Jhê Delacroix, ele trabalha em uma coleção de cordel   “De mo­ra­dor …

Continue lendo Com ajuda da literatura, morador de rua de BH vence o crack

Os livros curam

O número caiu em minha cabeça e quase me machuca: o mundo produz um novo livro —um título novo, milhares de exemplares de um título novo— a cada 15 segundos. São mais de dois milhões de títulos por anos; uma tiragem média de 2.000 exemplares vira 4 bilhões de volumes que inundam o planeta todos …

Continue lendo Os livros curam

Umberto Eco e o manual do mau jornalismo — CartaCapital

Por Kelly Velazquez O famoso escritor e ensaísta italiano Umberto Eco apresentou nesta semana na Itália seu novo romance, Número zero, uma espécie de manual do mau jornalismo ambientado na redação de um jornal imaginário. O novo livro do influente intelectual italiano, autor do famoso romance O nome da rosa e de importantes tratados de …

Continue lendo Umberto Eco e o manual do mau jornalismo — CartaCapital

6 poemas de Jacques Prévert

Silviano Santiago O bailado velado Na encruzilhada impossível da imobilidade uma turba de objetos inertes não consegue parar de se mover fremir dançar E os carteiros do vento como os do mar espalham a correspondência aqui e lá Cada coisa sem dúvida se destina a alguém        ou a alguma coisa talvez A pluma da …

Continue lendo 6 poemas de Jacques Prévert