Parte V – Escarrando no próprio prato

Bem, já disse que não havia esperanças de solucionar esses crimes, por isso o que sucedeu em seguida espantou a todos que tiveram notícias dessa história.

Um dia, ao raiar do sol, como uma besta escapara de um sítio próximo a Bragança, um dos seus peões foi incumbido de encontrá-la e trazê-la de volta no laço. Quando a procurava pela estrada por onde seus passos indicavam que ela havia passado, o peão deu de cara com um rapaz que trazia uma moça da vida em cada braço. Estava meio alto da farra de uma boa noitada.

Como estava vindo do mesmo lado das pegadas, perguntou-lhe:

_Vosmecê não viu uma besta que escapou do sítio do Seu Tonico?

Sem mais nem menos, o outro respondeu:

_A única besta que há por aqui sou eu, porque fui eu que matei os dois irmãos do sítio do nhô Ciccilo!

Ele se deixou laçar e ser levado ao distrito. Todos ficaram sem saber o que pensar novamente. Como podia um criminoso, se entregar assim sem mais nem porquê; sem se preocupar com a própria pele.

Chamaram a nona e quem pode vir dos irmãos para ouvir seu relato. Lá, Isaias contou tudo como havia acontecido.

Como sabia que era a época da venda da colheita e que a mãe ia rezar o terço com as comadres, aproveitou a ocasião para tentar a riqueza rapidamente. Só não esperava que os manos estivessem lá. Quando chegou, eles estavam na varanda proseando. Para separá-los, pediu a Nicola que fizesse um café fresco.

Assim que teve oportunidade, perguntou onde a mãe guardava o dinheiro. Surpreso, Nicola indagou o motivo daquela pergunta suspeita. Tomado de fúria, Isaias pegou a foice atrás da porta e, num único golpe, desferiu-a na garganta de Nicola.

Ao ouvir o estrondo do corpo caindo, Pedro acudiu, mas foi dominado na porta sob ameaça de acontecer-lhe o mesmo se não mostrasse onde estava o dinheiro. Isaias pegou o que queria, e saiu com o irmão pelos campos, até se distanciar o suficiente para seus gritos não serem escutados. Depois que liquidou com Pedro, ainda teve tempo de voltar ao sítio e consolar a mãe para não levantar suspeitas.

A riqueza, que daria para sustentar modestamente toda família por um ano, durou muito pouco nas esbórnias das zonas nos arrabaldes.

vis1

~ por Thaís de Godoy em 15 jan 2013.

Uma resposta to “Parte V – Escarrando no próprio prato”

  1. […] Continuação: Escarrando no próprio prato […]

    Curtir

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: