À Palestina,

o sangue, que jorra das veias de seu povo,

É esquecido, é ignorado.

Até quando fingiremos que tudo é normal?

Até quando viraremos as costas àqueles que sofrem

de um grande mal?

“Assim caminha a humanidade”, uns dizem.

Outros permanecem calados,

Enquanto seus filhos se esquivam da morte sem

Saber se seus passos serão lembrados.

Todos eles serão só números quantificados?

Alguns ainda virarão dissertação ou teses de doutorado,

Mas sem nome, sem lar

Nem água nem chão,

Todos seus filhos serão

prisioneiros em seu próprio torrão?

E todos nós sem a vergonha de deixar

que isso aconteça a um irmão?

11-07-2012

Um comentário sobre “À Palestina,

  1. Pingback: À Palestina, « Poética de Botequim

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s