Desespero

Parte II

Um dia, como de costume, a nona foi rezar o terço na cidade com toda família. Menos os dois filhos, Pedro e Nicola, porque,  com o término da colheita e venda de toda produção, tinham que tomar conta do dinheiro bem escondido num baú trancado a chave, no quarto do nono Ciccillo.

Depois de terminada a reza, toda família voltou cantando para casa, feliz por todas as obrigações cumpridas no fim da temporada. Quando chegaram, porém, deram com a porta aberta. Na mesa da cozinha, café derramado pelo chão. As ferramentas usadas para roçar, que eram guardadas atrás da porta, caídas. No quarto do nono, uma cena horripilante: Nicola caído ensanguentado, tinha o pescoço cortado.

Fora degolado! Naquele instante, tomados de loucura, meus tataravós sucumbiram à tamanha dor: a nona arrancou os próprios cabelos aos chumaços com tamanha força que a pele se desprendeu da cabeça. Meu nono teve um derrame e caiu desfalecido.

Continuação

grimm

Um comentário sobre “Desespero

  1. Pingback: Parte I | Poética de Botequim

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s