Desespero

Parte II

Um dia, como de costume, a nona foi rezar o terço na cidade com toda família. Menos os dois filhos, Pedro e Nicola, porque,  com o término da colheita e venda de toda produção, tinham que tomar conta do dinheiro bem escondido num baú trancado a chave, no quarto do nono Ciccillo.

Depois de terminada a reza, toda família voltou cantando para casa, feliz por todas as obrigações cumpridas no fim da temporada. Quando chegaram, porém, deram com a porta aberta. Na mesa da cozinha, café derramado pelo chão. As ferramentas usadas para roçar, que eram guardadas atrás da porta, caídas. No quarto do nono, uma cena horripilante: Nicola caído ensanguentado, tinha o pescoço cortado.

Fora degolado! Naquele instante, tomados de loucura, meus tataravós sucumbiram à tamanha dor: a nona arrancou os próprios cabelos aos chumaços com tamanha força que a pele se desprendeu da cabeça. Meu nono teve um derrame e caiu desfalecido.

Continuação

grimm

Preâmbulos

 

Tenho que contar esta história, antes que seja tarde!

Antes que a pessoa que ma relatou não possa mais confirmar se acertei depois de tudo escrito. Como falta-lhe já a luz dos olhos, quero ler essa história para ela confirmar se escrevi direito.

Preciso contar, mesmo que ninguém leia depois; mesmo que ninguém a receba em seus ocupados ouvidos.Tão ocupados, que não podem parar tudo o que estão fazendo e ler uma simples história.

Simples nada! Esta história me arrepiou os cabelos, um frio correu minha espinha, por saber que era real e que aconteceu no seio de minha família. Embora seus protagonistas já estejam todos embaixo da terra e eu não os tenha conhecido, nunca pensei que havia tanto drama, tragédia, sangue e mortes horríveis em uma família a qual eu, por muito tempo, considerei pacata!

Há coisas que os parentes só revelam em último caso e, no meu caso, precisaram me contar esta história para torná-la um exemplo; contaram para que eu superasse a minha tragédia, vendo que existiam tragédias ainda piores e os sofredores envolvidos sobreviveram, portanto eu também seria capaz de sobreviver. Também para me educar e talvez para herdar uma tradição familiar que surgiu desta tragédia não-grega, mas ítalo-brasileira ou ítalo-bragantinha.

Sei lá, só sei que, neste  momento, tenho que contar e sairá tudo de qualquer jeito, sem nenhuma preocupação com a forma, porque se eu morrer enquanto estiver escrevendo esta história, os interessados (pelo menos dois, eu tenho certeza) poderão ler o esqueleto dela.

A tia de minha mãe, Tia duas vezes (ela era irmã de minha avó e casou-se com o irmão de meu avô, isto é, duas irmãs da família de Bellis se casaram com dois irmãos da Boccuzzi*) Maria de Bellis Boccuzzi, assim me contou a história de minha tataravó, Maria Caporrino Linardi, ou Maria Leiteira, como era conhecida:

Continuação: Caim e Abel

*Essa é outra história, que parece tirada do Livro das 1001 noites, mas é cheia de coincidências, ou sincronias reais fantásticas: A história das sete irmãs e um irmão e dos sete irmãos e uma irmã (ainda a ser redigida). αΩ

Maria leiteira