Morto

de Ricardo Costa

 

Penso que nasci morto

Vivi meio que morto

No ponto morto

Me fiz de morto

Vivo-morto já é um morto

Vivo pode ser morto

Morto não pode ser morto

Mas morto é morto

Se morno não está morto

Se frio talvez quase morto

Gelado, com certeza morto

Amarelo encerado é um morto

Deitado caixão com flor é morto

Cem por cento morto

Até baralho tem morto

Que fica de lado como morto

Se joga bem pega o morto

Só então vive o morto

Desconectar da vida está morto

Na solidão você é um morto

Sozinho está morto

Morto bom é um bom morto

Seu futuro terá um morto

Você será um morto

Ninguém tem inveja de morto

Chora quando vê um morto

Morto por morto

Melhor um bem morto.

filmes-baseados-em_0014_shakespeare
Lawrence Olivier em Hamlet

À sua mulher antes de casar

Para quem é da área de Letras e não tem ideia para fazer um projeto de mestrado, aí vai uma sugestão: o poema da Florbela Espanca, “Para quê?” publicado anteriormente, tem uma relação de intertextualidade com o poema abaixo de Gregório da Matos. Se ela o leu ou não é preciso investigar, de qualquer maneira, certas imagens, da flor, do pó, das cinzas, do nada, a gradação do período barroco retomadas num período mais recente, nos faz lembrar da ideia de Borges sobre o espírito da poesia. As ações propostas por Florbela e Gregório diante da transitoriedade da vida, no entanto são muito diferentes: ele propõem à futura esposa desfrutar ao máximo, enquanto há tempo (O tema do carpe diem, numa atitude mais hedonista); já a autora portuguesa pensa em desistir de procurar o amor e o prazer, pois tudo é vaidade, o que nos remete ao livro bíblico, o Eclesiastes.

Gregório de Matos Guerra

 

Discreta e formosíssima Maria,
Enquanto estamos vendo a qualquer hora
Em tuas faces a rosada Aurora,
Em teus olhos, e boca o Sol, e o dia:

Enquanto com gentil descortesia
O ar, que fresco Adônis te namora,
Te espalha a rica trança voadora,
Quando vem passear-te pela fria:

Goza, goza da flor da mocidade,
Que o tempo trota a toda ligeireza,
E imprime em toda a flor sua pisada.

Oh não aguardes, que a madura idade
Te converta essa flor, essa beleza
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.

Jakob_Jordaens_016

Para quê?!

F. Espanca

Tudo é vaidade neste mundo vão…
Tudo é tristeza, tudo é pó, é nada!
E mal desponta em nós a madrugada,
Vem logo a noite encher o coração!

Até o amor nos mente, esta canção
Que o nosso peito ri à gargalhada,
Flor que é nascida e logo desfolhada,
Pétalas que se pisam pelo chão!

Beijos de amor! Pra quê?! … Tristes vaidades!
Sonhos que logo são realidades,
Que nos deixam a alma como morta!

Só neles acredita quem é louca!
Beijos de amor que vão de boca em boca,
Como pobres que vão de porta em porta!…

Echo_and_Narcissus_-_John_William_Waterhouse

Minha cara

Minha cara

de Ricardo Costa

 

Suas curvas escorrem

Por belezas leves

Seus olhos verdes

Nariz delicado e esbelto

Rosto que me faz gosto

Seu corpo naveguei

Como encosto do meu corpo

Das bordas às solas contornei

Sua pele fina, clara e rara

Acariciei e amei

Ara meu coração

Que me leva a ação

Sua alma alegre

Minha estepe

Sua simpatia

Minha guia

Com todo carinho

Fez este ninho

Não sou melhor

Nem o pior

Sou o padrão do tanto

Sou o que sou

Mas estou onde estou

Desde que começou

Entre certos e errados

A vida nos levou

E tudo juntou.

5457448204_5679b52ca9_b

 

Chuva

Chuva

de Ricardo Costa

 

Eu quero chuva

Chuva molhada

Quero um céu

Pesado e cinza

Que me dê esperanças

De que mais chuva virá

Muita, mas muita água

Quero que molhe

Quero que lave

Quero ver poças refletidas

Numa tênue claridade

Quero acordar

E ver que choveu

Noite inteira sem parar

E se possível

Ao acordar que ainda chova

Chuva contínua

Nada de sol triturando

Meu espírito não bate com o sol

Está mais para o griset

Que conviva com

A solidão doce que sinto

Não quero gente

Gente cansa

E já estou muito cansado

Olho para trás e

Penso que tenho direito

Ao cansaço pois já

Vi tantos céus

Vi horizontes

Noites e dias

Vivi noites a sós

Enganando a mim

Quanta tolice

Tanto tempo correndo no nada

Para encontrar nada

Pura ilusão

E o tempo não ajuda

Corre muito

Muito mais do que posso sonhar

Quero então

Chuva úmida, suave

Caindo e batendo

Em minha janela

Chuva, só chuva caindo

De pingo pingado

Bem cadenciado

Com seu toque singelo

De gélido silêncio

Apenas silêncio

Silêncio.

5b45e7f6520da237c113805a6e79cf55

Sonho de Verão

Agora é verão,
Mas é primavera em meu coração!
Recolho safiras que caem dos céus.
Piso rubis que brotam pelas estradas.
Apanho esmeraldas espalhadas nos prados.

Douradas borboletas e libélulas,
Anjos de asas translúcidas,
Em meus ombros e braços vêm pousar.

À sua descuidada mãe, as devolvo.
Nos brilhantes cabelos, porém, duas ficam perdidas.
E, quando são descobertas,
De papel e espelho, tentam se disfarçar.

Thaís GM

 

Jacareí, 27 de janeiro de 2018

12183649ip

 

A Doutrina do Choque – A Ascensão do Capitalismo do Desastre

Fridmann, o economista que defendeu o capitalismo neoliberal, e suas ideias são considerados os responsáveis pelas crises econômicas dos últimos 40 anos. Inclusive pelo crash de 2008, pela qual nenhum responsável foi preso. Apesar de defender a não intervenção do estado na economia, as empresas de seguro aceitaram dinheiro do governo para cobrir seu rombo e ainda ganharam bonificação. O lucro é privado, mas o investimento é público, porque o povo americano com seus impostos salvou essas empresas particulares.

As teorias econômicas de Fridmann, que eram consideradas loucuras após a crise de 1929, ganharam força na década de 1950, contudo recentemente foram descartadas por dois vencedores do prêmio Nobel, devido aos desastres econômicos que têm causado, mas os políticos ainda não estudaram o resultado catastrófico dessas teorias e continuam aplicando como se ainda estivéssemos na década de 1910. O laissez-faire fracassou várias vezes, o controle total do Estado também. No entanto, nenhum político fala em adotar um meio termo ou uma terceira via para solução das crises econômicas. Grécia, Portugal, Espanha, EUA são alguns dos países que quebraram recentemente, após a globalização que não trouxe o progresso prometido para a classe trabalhadora pelo menos.

Com esse documentário, chega-se à conclusão de que paz e capitalismo neoliberal são incompatíveis. O capitalismo precisa da guerra, precisa da crise, o que é trágico. Segue um resumo do livro “A Doutrina do Choque” (2009): documentário dirigido por M. Whitercross e M. Winterbottom, roteiro de Naomi Klein.Naomi Klein põe um fim ao mito de que o mercado livre global triunfou democraticamente. Expondo o modo de pensar, o rasto do dinheiro e os fios de marioneta por detrás das crises e guerras mundiais das últimas quatro décadas. “A Doutrina do Choque” é a história absorvente de como as políticas de “mercado livre” da América têm vindo a dominar o mundo – através da exploração de povos e países em choque devido a inúmeros desastres. Na conjuntura mais caótica da guerra civil do Iraque, é apresentada uma nova lei que permitiria à Shell e à BP reclamar para si as vastas reservas petrolíferas do país…

Imediatamente a seguir ao 11 de Setembro, a administração Bush concessiona, sem alarido, a gestão da “Guerra contra o Terror” à Halliburton e à Blackwater… Depois de um tsunami varrer as costas do sudeste asiático, as praias intocadas são leiloadas ao desbarato a resorts turísticos… Os residentes de Nova Orleães, espalhados pelo furacão Katrina, descobrem que as suas habitações sociais, os seus hospitais e as suas escolas jamais serão reabertas.

Estes acontecimentos são exemplos da “doutrina de choque”: o aproveitamento da desorientação pública no seguimento de enormes choques colectivos – guerras, ataques terroristas ou desastres naturais – para ganhar controlo impondo uma terapia de choque económica. Por vezes, quando os dois primeiros choques não são bem sucedidos em eliminar a resistência, é empregue um terceiro choque: o eléctrodo na cela da prisão ou a arma Taser nas ruas. Baseado em investigações históricas inovadoras e em quatro anos de relatos no terreno em zonas de desastre, “A Doutrina do Choque” mostra de forma vívida que o capitalismo de desastre – a rápida reorganização corporativa de sociedades que tentam recuperar do choque – não começou com o 11 de Setembro de 2001. O livro traça um percurso das suas origens que nos leva há cinquenta anos atrás, à Universidade de Chicago sob o domínio de Milton Friedman, que produziu muitos dos principais pensadores neoconservadores e neoliberais cuja influência, nos nossos dias, ainda é profunda em Washington. São estabelecidas novas e surpreendentes ligações entre a política económica, a guerra de “choque e pavor” e as experiências secretas financiadas pela CIA em electrochoques e privação sensorial na década de 1950, pesquisa essa que ajudou a escrever os manuais de tortura usados hoje na Baía de Guantanamo.
Jorge Fernandes

Poética de Botequim

Com esse documentário, chega-se a conclusão de que paz e capitalismo neoliberal são incompatíveis. O capitalismo precisa da guerra, o que é trágico.

Ver o post original

O harém ao rés do chão

No imaginário ocidental o harém primeiro fascina pelo mistério. Com efeito, a compreensão lendária das culturas do Médio Oriente incorpora uma visão de mulheres isoladas e restritas, à disposição da lascívia de seu senhor. E ainda que, em tempos mais recentes, estudos, relatos e ações tenham adentrado as questões postas pela condição feminina em países de cultura islâmica, contudo a imagem de sedução e dominação associada ao harém perdura com resiliência perturbadora.

A historiadora Marina Soares procede a uma inovadora arqueologia desses conceitos, imagens e permanências. Ela percorre narrativas de viagens de europeus ao Império Otomano, Pérsia e Norte da África, publicadas em língua inglesa e francesa, remontando ao final do século XVI e prosseguindo até o final do século XVIII. Nesse cenário textual é possível seguir os rastros das representações do harém que ensejaram o imaginário de luxúria a compor a figuração das sociedades islâmicas. Dentre essas fontes cuidadosamente reunidas e analisadas, o último relato, publicado em 1791, destaca a experiência médica de um viajante inglês em dois haréns do Reino de Marrocos. Trata-se de documento privilegiado que permite recuperar nessa questão pontual o confronto das culturas: os pressupostos médicos europeus encontram as práticas médicas mouras – um encontro de perplexidades e trocas que a argúcia da investigadora traz à luz com fina maestria.

O tema é muito pouco explorado pela pesquisa acadêmica sobre o Oriente, em geral mais voltada para estudos que, de alguma forma, possam instruir as questões políticas do presente. E, contudo, é na longa duração que a economia dos costumes enreda pacientemente o tecido da cultura – urdidura que dá sentido aos acontecimentos que convocam a atenção para as relações entre os povos.

Este livro propicia o delicado desenlace dos atados mais profundos de nossa simbologia sobre o harém, um mistério desvelado como uma ficção instigante que nos convida a mirar em espelho nossas próprias quimeras.

Sara Albieri

Professora Titular de História FFLCH USP

 

Autora:

Marina de Oliveira Soares possui bacharelado e licenciatura em História pela Universidade de São Paulo, com Mestrado em “Língua, Literatura e Cultura Árabe” e Doutorado em História Social, ambos na FFLCH USP.

Capa_Harm

Yale compra cartas de amor de Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann

A universidade americana de Yale comprou as 112 cartas de amor escritas por Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann, indicou nesta sexta-feira, 19, a casa de leilões Christie’s.

O valor da venda não foi informado.

Claude Lanzmann, de 92 anos, cineasta, jornalista e escritor, foi o secretário de Jean-Paul Sartre. Durante sete anos, entre 1952 e 1959, viveu com Simone de Beauvoir, 17 anos mais velha.

Estas cartas de um “amor louco”, segundo Lanzmann, “apenas diziam respeito a Simone de Beauvoir e a mim”, indicou em um texto transmitido pela Christie’s.

“Eu não pretendia mostrar (esta correspondência), em nenhuma forma de publicação”, acrescentou Lanzmann, que explicou ter vendido essas cartas à Universidade de Yale por causa da “escandalosa lei francesa” que enquadra a transmissão de legados e heranças da totalidade dos escritos de um autor “para parentes às vezes desconhecidos, ao mesmo tempo que rouba os verdadeiros destinatários dessa correspondência”.

“O conteúdo dessas cartas, de acordo com essa lei absurda, pertence a quem as escreve, mas nunca aos destinatários, a quem são dirigidos”, objetou Lanzmann.

Mas, acrescenta, o destinatário dessas cartas “tem o direito de cedê-las, esperando que o comprador possa publicá-las ou, pelo menos, preservá-las e permitir o acesso a historiadores e pesquisadores”.

“Foi o que acaba de acontecer felizmente com as 112 cartas que Simone de Beauvoir me enviou”, comemorou.

“A prestigiosa Universidade de Yale, que já possui manuscritos de Simone de Beauvoir e meus seminários, que cedi desde 1985, pode, com certeza, ter orgulho de ter comprado todas as cartas de Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann, uma excepcional correspondência de amor única no mundo”, conclui.

Simone

A cidade de Ulisses

A melhor frase que ouvi recentemente sobre os brasileiros é de Teolinda Gersão, autora portuguesa do livro “A cidade de Ulisses”: mesmo diante do abismo, os brasileiros sorriem, ficam alegres, parecem pensar que são tão grandes que não caberão nele.

Se essa aparência reflete o que realmente sentimos, eu não sei. Acho que simplesmente não pensamos. A  maioria é inconsequente e prefere se drogar assistindo BBB ou usando outra distração qualquer, para não pensar no abismo, ao invés de tentar escapar dele.

Como o personagem kafkiano de A Metamorfose, que, ao se transformar em um inseto gigantesco, só consegue se preocupa se vai conseguir chegar ao trabalho na hora.

De qualquer forma, essa é uma bela frase, não é?

via “A cidade de Ulisses”, de Teolinda Gersão, é um prato cheio para o leitor amante de narrativas híbridas – Jornal Opção

Desfecho – São Sebastião

São Sebastião – Continuação de Causos de família
Isaias ia ser removido para São Paulo, para o julgamento. Quando a colônia italiana de Bragança soube, se reuniu em peso na pequena estação para um linchamento. As autoridades, com muita dificuldade, escoltaram-no sob os gritos de assassino. A turba enfurecida se dependurou nos vagões tentando inutilmente virá-los.
Chegando à capital, o rapaz foi condenado à pena máxima. O tempo foi passando, mas a dor não: Maria Leiteira chorava dia e noite. Segundo diziam os que voltavam da capital, Isaias era torturado diariamente também: uma goteira pingava continuamente sobre sua cabeça. Isso é de enlouquecer.
Maria benzia crianças com quebranto, tornou-se a Maria Benzadeira. Quem sabe se, ajudando os mais necessitados, sua dor passaria. Mesmo benzendo a cidade inteira e mais as vizinhas, nada resolvia.

Até que um dia ela teve um sonho muito vívido, uma comunicação. Seus dois filhos, Pedro e Nicola, vinham por uma longa estrada carregando dois baldes pesadíssimos cada um. Quando se aproximaram, andando com muita dificuldade, ela lhes perguntou o que era aquilo que levavam.
_São suas lágrimas. Vamos carregá-las até que pare de chorar por nós. Faça algo em nossa intenção que tudo passará.
A partir daquele dia, 20 de janeiro, dia de São Sebastião, minha tataravó passou a pedir esmolas de casa em casa e a entregá-las a crianças carentes. Um dia, Maria decidiu visitar Isaias na prisão. Ele pediu desculpas à mãe que perdoou o assassino de dois de seus filhos. Conta-se que ele, por bom comportamento, passou a ser muito querido na prisão onde tornou-se cozinheiro, mas nunca foi solto.
Para viver, ela passou a plantar verduras no seu quintal e vendê-las na feira.

Maria Verdureira um dia falou que sabia o dia em que ia morrer. Meses antes falou ao sogro de sua neta Lúcia, Francisco Boccuzzi, que não queria ninguém triste em seu velório e ele, por ser muito divertido, deveria ser o encarregado de animar seu passamento.
Na data prevista, tomou banho, foi ao quintal e agradeceu-lhe pelo alimento nele gerado, escolheu suas roupas e um par de meias com as quais queria ser enterrada. Conforme havia previsto, no dia 6 de maio de 1947, Maria Caporrino Linardi deitou-se em sua cama e faleceu tranquilamente.

No velório, meu bisavô teve que beber muito para ser o palhaço da festa.

*Obs.: minha avó, Lúcia de Bellis Boccuzzi, a neta mais velha de Maria Leiteira Benzedeira Verdureira se tornou encarregada de continuar a ação de ajudar os pobres no dia de São Sebastião. Agora, que minha avó também está do outro lado, essa missão passou a ser minha.

 

Thaís de Godoy

1dfd36c00bd30d897389c06efeeba7bb
Martírio de São Sebastião de Giuseppe Giorgetti, 1671.