Minha cara

Minha cara

de Ricardo Costa

 

Suas curvas escorrem

Por belezas leves

Seus olhos verdes

Nariz delicado e esbelto

Rosto que me faz gosto

Seu corpo naveguei

Como encosto do meu corpo

Das bordas às solas contornei

Sua pele fina, clara e rara

Acariciei e amei

Ara meu coração

Que me leva a ação

Sua alma alegre

Minha estepe

Sua simpatia

Minha guia

Com todo carinho

Fez este ninho

Não sou melhor

Nem o pior

Sou o padrão do tanto

Sou o que sou

Mas estou onde estou

Desde que começou

Entre certos e errados

A vida nos levou

E tudo juntou.

5457448204_5679b52ca9_b

 

Chuva

Chuva

de Ricardo Costa

 

Eu quero chuva

Chuva molhada

Quero um céu

Pesado e cinza

Que me dê esperanças

De que mais chuva virá

Muita, mas muita água

Quero que molhe

Quero que lave

Quero ver poças refletidas

Numa tênue claridade

Quero acordar

E ver que choveu

Noite inteira sem parar

E se possível

Ao acordar que ainda chova

Chuva contínua

Nada de sol triturando

Meu espírito não bate com o sol

Está mais para o griset

Que conviva com

A solidão doce que sinto

Não quero gente

Gente cansa

E já estou muito cansado

Olho para trás e

Penso que tenho direito

Ao cansaço pois já

Vi tantos céus

Vi horizontes

Noites e dias

Vivi noites a sós

Enganando a mim

Quanta tolice

Tanto tempo correndo no nada

Para encontrar nada

Pura ilusão

E o tempo não ajuda

Corre muito

Muito mais do que posso sonhar

Quero então

Chuva úmida, suave

Caindo e batendo

Em minha janela

Chuva, só chuva caindo

De pingo pingado

Bem cadenciado

Com seu toque singelo

De gélido silêncio

Apenas silêncio

Silêncio.

5b45e7f6520da237c113805a6e79cf55