O Nada

Nada se extingue.
Tudo o que há
É um reflexo
Do que já houve.
O que já houve
São ecos ressoando
No presente…
Se aqui ninguém
Seu tinir ouve,
É porque nada,
Na dor de um ser ausente,
Se distingue.
19 de junho de 2007
 
 
Thaís de Godoy

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s