O harém ao rés do chão

No imaginário ocidental o harém primeiro fascina pelo mistério. Com efeito, a compreensão lendária das culturas do Médio Oriente incorpora uma visão de mulheres isoladas e restritas, à disposição da lascívia de seu senhor. E ainda que, em tempos mais recentes, estudos, relatos e ações tenham adentrado as questões postas pela condição feminina em países de cultura islâmica, contudo a imagem de sedução e dominação associada ao harém perdura com resiliência perturbadora.

A historiadora Marina Soares procede a uma inovadora arqueologia desses conceitos, imagens e permanências. Ela percorre narrativas de viagens de europeus ao Império Otomano, Pérsia e Norte da África, publicadas em língua inglesa e francesa, remontando ao final do século XVI e prosseguindo até o final do século XVIII. Nesse cenário textual é possível seguir os rastros das representações do harém que ensejaram o imaginário de luxúria a compor a figuração das sociedades islâmicas. Dentre essas fontes cuidadosamente reunidas e analisadas, o último relato, publicado em 1791, destaca a experiência médica de um viajante inglês em dois haréns do Reino de Marrocos. Trata-se de documento privilegiado que permite recuperar nessa questão pontual o confronto das culturas: os pressupostos médicos europeus encontram as práticas médicas mouras – um encontro de perplexidades e trocas que a argúcia da investigadora traz à luz com fina maestria.

O tema é muito pouco explorado pela pesquisa acadêmica sobre o Oriente, em geral mais voltada para estudos que, de alguma forma, possam instruir as questões políticas do presente. E, contudo, é na longa duração que a economia dos costumes enreda pacientemente o tecido da cultura – urdidura que dá sentido aos acontecimentos que convocam a atenção para as relações entre os povos.

Este livro propicia o delicado desenlace dos atados mais profundos de nossa simbologia sobre o harém, um mistério desvelado como uma ficção instigante que nos convida a mirar em espelho nossas próprias quimeras.

Sara Albieri

Professora Titular de História FFLCH USP

 

Autora:

Marina de Oliveira Soares possui bacharelado e licenciatura em História pela Universidade de São Paulo, com Mestrado em “Língua, Literatura e Cultura Árabe” e Doutorado em História Social, ambos na FFLCH USP.

Capa_Harm

Yale compra cartas de amor de Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann

A universidade americana de Yale comprou as 112 cartas de amor escritas por Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann, indicou nesta sexta-feira, 19, a casa de leilões Christie’s.

O valor da venda não foi informado.

Claude Lanzmann, de 92 anos, cineasta, jornalista e escritor, foi o secretário de Jean-Paul Sartre. Durante sete anos, entre 1952 e 1959, viveu com Simone de Beauvoir, 17 anos mais velha.

Estas cartas de um “amor louco”, segundo Lanzmann, “apenas diziam respeito a Simone de Beauvoir e a mim”, indicou em um texto transmitido pela Christie’s.

“Eu não pretendia mostrar (esta correspondência), em nenhuma forma de publicação”, acrescentou Lanzmann, que explicou ter vendido essas cartas à Universidade de Yale por causa da “escandalosa lei francesa” que enquadra a transmissão de legados e heranças da totalidade dos escritos de um autor “para parentes às vezes desconhecidos, ao mesmo tempo que rouba os verdadeiros destinatários dessa correspondência”.

“O conteúdo dessas cartas, de acordo com essa lei absurda, pertence a quem as escreve, mas nunca aos destinatários, a quem são dirigidos”, objetou Lanzmann.

Mas, acrescenta, o destinatário dessas cartas “tem o direito de cedê-las, esperando que o comprador possa publicá-las ou, pelo menos, preservá-las e permitir o acesso a historiadores e pesquisadores”.

“Foi o que acaba de acontecer felizmente com as 112 cartas que Simone de Beauvoir me enviou”, comemorou.

“A prestigiosa Universidade de Yale, que já possui manuscritos de Simone de Beauvoir e meus seminários, que cedi desde 1985, pode, com certeza, ter orgulho de ter comprado todas as cartas de Simone de Beauvoir a Claude Lanzmann, uma excepcional correspondência de amor única no mundo”, conclui.

Simone

A cidade de Ulisses

A melhor frase que ouvi recentemente sobre os brasileiros é de Teolinda Gersão, autora portuguesa do livro “A cidade de Ulisses”: mesmo diante do abismo, os brasileiros sorriem, ficam alegres, parecem pensar que são tão grandes que não caberão nele.

Se essa aparência reflete o que realmente sentimos, eu não sei. Acho que simplesmente não pensamos. A  maioria é inconsequente e prefere se drogar assistindo BBB ou usando outra distração qualquer, para não pensar no abismo, ao invés de tentar escapar dele.

Como o personagem kafkiano de A Metamorfose, que, ao se transformar em um inseto gigantesco, só consegue se preocupa se vai conseguir chegar ao trabalho na hora.

De qualquer forma, essa é uma bela frase, não é?

via “A cidade de Ulisses”, de Teolinda Gersão, é um prato cheio para o leitor amante de narrativas híbridas – Jornal Opção