Meu amor

Quem é você? Quem sou eu? Da mistura de nós dois, Nasceu um lago tranquilo Que encobriu vilas, Torres e cruzes Nasceu um campo de flores, Um bosque e um pasto Nasceu um sol, uma nuvem e um vento fresco. Nasceu o olhar que vê o que nasceu.

Destaque

Se te amei um dia

_Num dia, venci este teu jogo atroz. Se te amei um dia, foi porque, quando falavas com a boca cheia de alegria, Iluminavas todos os meus dias. Se te amei um dia, foi porque, quando me beijavas e falavas de poesia, Tua boca me afogava em lascívia. Foi porque, atrás de fragilidades, vi tua força. …

Continue lendo Se te amei um dia

A sombra

Ontem, o frio cortava minhas faces distraídas, ao passar por um longo corredor sombrio. Um frio que me lembrava toda a imensa crueldade do mundo.     Num lance, porém, um calor atravessou meu corpo. Uma sombra quente, diferente dos fantasmas que , como todos sabem, trazem ainda mais frio. A sombra escapou do seu …

Continue lendo A sombra

Apenas palavras

As palavras são nada. Em si, carecem de sentidos, se não as escoltar os gestos. Assim o silêncio é louvável a alguns algures. Imprudência fiar-se no verbo, já que quem mente mergulha a todos em fantasia? Sonha que a todos ludibria? Para si, ciladas cria? Mas não ilude plenamente: há uma gota de verdade em …

Continue lendo Apenas palavras

Se se morre de amor!

 Meere und Berge und Horizonte zwischen den Liebenden - aber die Seelen versetzen sích aus dem staubigen Kerker und treffen sich im Paradiese der Liebe. Schiller, Die Rüuber Se se morre de amor! — Não, não se morre, Quando é fascinação que nos surpreende De ruidoso sarau entre os festejos; Quando luzes, calor, orquestra e …

Continue lendo Se se morre de amor!

Duelo dos Deuses

Eros fere até as Erínias! Atena merece ser mais amada que Afrodite! contudo regras para o querer, não há quem dite! Nem todo o ciúme de Juno bastou para conter, de Zeus, o anseio. Nem a forja, o fogo e o ferro de Hefesto Bastaram para frear Afrodite, Porque o martelo do marido fez a flecha que feriu …

Continue lendo Duelo dos Deuses

Duplo Carimbo

Quando insisto que preciso Ser as roupas que te envolvem, Ninguém entende o motivo. À tua pele estaria colada, Te revestindo, te protegendo Do frio, do sol, da chuva, De olhares que alhures Pudessem perturbar teu pudor E enciumar esta distante Imaginação que te perscruta. Ao me perfumar, teus doces bálsamos, Curariam a ânsia que me domina. …

Continue lendo Duplo Carimbo