À Síria

Palmira, tuas palmeiras há muito não balançam ao vento!

O vento só traz até ti pó, cinzas, farelos

Que sobram das ambições de todos os tempos.

Culpada por demorar-te no meio do caminho.

 

Como tua irmã, anciã entre as localidades;

Lar dos fundadores da Acádia,

Essa coroa de fogo da deusa do amor e da guerra.

 

Alepo, algo mais nefasto que o mais nefasto

Dos terremotos perscruta teus filhos;

Sonda tuas antigas ágoras,

que viraram catedrais

que agora são mesquitas!

Em vão perguntas “por quem definho?”

 

Como tua vizinha Ebla, rocha branca,

Berço de onde partimos, nosso ninho!

Nem 5 milênios tanto dano causou a tua ancestral alegria.

Ser ruína de ruínas é teu destino?

 

Tua terra é a desejada de todas as gentes:

Persas, macedônios, romanos, árabes,

Bizantinos, cruzados, mongóis, mamelucos,

Turcos, franceses, ingleses,

Russos, estadunidenses.

Foi o que os ventos trouxeram a teus pés

E sobre tua cabeça, pobre Síria: louco desatino!

 

Lares divididos, subdivididos,

Todos somos teus descendentes.

Quebra-cabeças de venais interesses!

Joias deste Oriente, quem sentirá tua agonia?

Godoy

tmp941455928828362753

“Carece de ter coragem”

“Carece de ter coragem”¹

In memoriam de Faris Odeh, morto com apenas 14 anos, no dia 8 de novembro de 2000, por um sniper israelense

Sempre repetia minha madrinha: “O medo não é de Deus”

Olhos arregalados, completava ainda:

“O medo é a ausência de fé em Deus. Falta de uma fortaleza interna.”

Mesmo que minha fé me abandonasse vez ou outra, quando conseguia

Reconhecer minha covardia, lembrava: “O medo não é de Deus!”

Tememos muitas coisas: “Hesito, logo existo” é o bordão modernizado,

Por isso nos surpreende o gesto heroico.

Num átimo, o ser não duvida de nada.

Não duvida do que tem de fazer imediatamente,

Mesmo que isso seja irracional

Mesmo que isso seja loucura

Porque naquele instante,

Mesmo o mais vacilante,

passa a ter certeza do que deve, precisa e deseja fazer.

Ergue-se nele aquela fortaleza.

De onde ela vem?

Nem sempre da fé em um Deus,

Mas simplesmente da fé.

Fé na mudança

Fé no fim da injustiça

Fé em si mesmo

Fé em poder mudar o mundo.

Mesmo que seja apenas um menino e sua única arma, uma ingênua pedra

diante de um tanque,

diante de toneladas de ferro,

diante  de incalculável ódio

E, finalmente, diante do Medo.

1- Fala de Diadorim, personagem de Grande Sertão Veredas de Guimarães Rosa.

Revelação de segredos da “guerra contra o terror” provam: militares americanos são psicopatas

“Hunter Killer – Como os drones revolucionaram a guerra contra o terror’ e “Drone Papers” revelam psicopatia no exército americano

 

Apesar do título, que mais parece uma propaganda do exército  norte-americano (já que na realidade a guerra é contra inocentes civis e não contra o “terror”) o livro HUNTER KILLER – Como os drones revolucionaram a guerra contra o terror escrito por Kevin Maurer e T. Mark McCurley, revela segredos monstruosos relacionados aos ataques por drones.

Oficiais mal preparados brincam com a vida de seres humanos como se estivessem jogando videogame.

Para se ter uma ideia da incompetência dos oficiais que “pilotam” os drones, eles são chamados pelos próprios colegas de os “losers” (perdedores) da Força Aérea, pois são os únicos na área que, imediatamente após terminarem o treinamento, entram em combate.

A seguir resenha do livro no site da editora:

“Em uma narrativa eletrizante, um dos primeiros pilotos a transformar os drones em máquinas de guerra oferece uma visão fundamental sobre a vida na comunidade de aeronaves remotamente pilotadas. Antes de se juntar à equipe do Predator, o tenente-coronel Mark McCurley associava a ideia de drones a aviões de controle remoto. Não poderia estar mais enganado: com seus novecentos quilos, são máquinas complexas, que representam um desafio para os novatos – o próprio McCurley teve de reaprender a voar sem asas.
Narrando sua trajetória de aspirante a piloto da Força Aérea a autor do primeiro manual do Predator, o tentente-coronel também revela alguns dos momentos mais marcantes – e secretos – da história da aeronave, como a morte do terrorista Anwar al-Awlaki e a participação no resgate de Marcus Luttrell, cuja história inspirou o filme O grande herói.
Mesmo distante dos campos de guerra, os combates eram impactantes para McCurley, porque, diferentemente dos pilotos de caça, ele era capaz de enxergar de perto cada uma de suas vítimas: “Eu estava quase chegando em casa quando senti o baque. Parado num sinal de trânsito, me dei conta de que tinha tirado uma vida. Não havia como o Facilitador me ferir. Eu tinha todo o poder. Além do mais, ele não estava atirando contra tropas americanas naquele momento. Falava ao telefone com a mulher. Que pecado maior eu poderia cometer?”.

Neste relato inédito, McCurley mostra ainda a evolução da frota de Predators: com mais de novecentas missões ao redor do mundo e superando as 17 mil horas de combate, os drones mudaram para sempre a história da guerra.”

O livro foi lançado nos EUA em outubro de 2015, dois dias depois o jornalista Glen Greenwald revelou na internet documentos chamados de Drone Papers com informações chocantes que revelam a monstruosidade das ações do exército americano possibilitadas por seu novo brinquedinho de matar. Na verdade, os “ataques cirúrgicos” são uma carnificina desumana contra a população civil morta em 87% dos casos, essas execuções são chamadas friamente de “danos colaterais”. E os “prêmios”, como eles cruelmente chamam os supostos suspeitos, são “escolhidos” sem nenhuma prova de que sejam realmente culpados, baseando-se em informações vagas como e-mails e grampos em celulares. Em certa ocasião, por exemplo, eles assassinaram um pastor que viva numa aldeia afegã pelo simples fato de ele ser alto e usar barba como Osama Bin Laden.

Os vídeos das ações dos drones, chamados de Pred Porn (Pornografia do Predador), são populares entre os militares, que sentem prazer em assistir em alta resolução a morte lenta de seus alvos, como se assistissem a um filminho hollywoodiano.

Drone: O Monstro Cego
Drone: O Monstro Cego

 

 

Chomski & Cia

Neste documentário, Noam Chomski desmente as alegações de que teria negado o Holocausto judeu, demonstrando claramente que isso foi uma distorção dos fatos, a meu ver proposital para desqualificar as incomodas verdades denunciadas por ele sobre as guerras promovidas pelos EUA no mundo . Considerado em 1993, o maior intelectual do mundo pelo jornal The New Your Times, Chomski é filósofo, linguista e professor da cadeira de Linguística do MIT.

“We must the educate the people in such a way as to keep them from jumping at our throats” Ralph Waldo Emerson.

Chomsky & Cia

Entrevista de Noam Chomsky por Donahue & Pozner – 1ª e 2ª partes

 

Apesar de a imagem estar bastante distorcida publicarei partes da entrevista de Noam Chomsky a primeira parte está em inglês sem legendas; as demais, em português. Ela ajuda a entender o antiamericanismo crescente no mundo hoje.

Até a década de 1937, Departamento de Estado Americano dizia que os EUA deveriam apoiar Hitler, porque ele era um moderado entre os extremos da esquerda e da direita.

Um movimento genuíno pela mudança social

“A guerra é a saúde do Estado”, escreveu em um ensaio clássico o crítico social Randolph Bourne, quando os EUA ingressaram na Primeira Guerra Mundial:


“Ela automaticamente coloca em movimento, em toda a sociedade, aquelas forças irresistíveis pela uniformidade, pela cooperação apaixonada com o governo ao coagir grupos minoritários e indivíduos que não tenham o sentido de rebanho para que obedeçam… Outros valores como a criação artística, o conhecimento, a razão, a beleza, a valorização da vida são instantaneamente e quase por unanimidade sacrificados, e as classes significativas que se constituíram a si mesmas como agentes do Estado não apenas sacrificam esses valores para si, mas se engajam na coerção de todas as outras pessoas para que os sacrifiquem.”

E a intelligentsia estava a serviço das “classes significativas” da sociedade, “treinada no pragmatismo, imensamente pronta para ordens executivas de eventos, lamentavelmente despreparada para a interpretação intelectual ou para o foco idealista nos fins”.

Essas pessoas estão “alinhadas a serviço da técnica de guerra. Parece ter havido uma simpatia peculiar entre a guerra e estes homens. É como se estivessem esperando um pelo outro”.

O papel da intelligentsia técnica na tomada de decisões é predominante nas partes da economia que estão “a serviço da técnica de guerra” e intimamente ligadas ao governo, o que garante sua segurança e crescimento.

Não é de admirar, então, que a intelligentsia técnica, tipicamente, esteja comprometida com o que o sociólogo Barrington Moore, em 1968, chamou de “a solução predatória da reforma de token em casa e do imperialismo contrarrevolucionário no exterior”.

Moore ofereceu o seguinte resumo da “voz predominante dos EUA em casa e no exterior” -uma ideologia que expressa as necessidades da elite socioeconômica americana, que é proposta com várias gradações de sutileza por muitos intelectuais norte-americanos, e que ganha a adesão substancial por parte da maioria que obteve “alguma participação na sociedade afluente”:

“Você pode protestar com palavras o quanto quiser. Há apenas uma condição associada à liberdade que nós gostaríamos muito de encorajar: seus protestos podem ser tão barulhentos quanto possível, desde que continuem a ser ineficazes… Qualquer tentativa de remover seus opressores pela força é uma ameaça à sociedade civilizada e ao processo democrático… Se vocês recorrerem à força, nós vamos, se necessário, tirá-los da face da terra pela resposta comedida que faz chover fogo dos céus”.

Uma sociedade na qual esta é a voz predominante, só pode ser mantida por alguma forma de mobilização nacional, que pode variar em sua extensão desde um compromisso com recursos substanciais até uma verdadeira ameaça de uso da força e violência.

Tendo em conta as realidades da política internacional, esse compromisso pode ser mantido nos Estados Unidos apenas por uma forma de psicose nacional -uma guerra contra um inimigo que aparece em muitos disfarces: o Kremlin burocrata, o camponês asiático, o estudante latino-americano e, sem dúvida, a “guerrilha urbana” em casa.

O intelectual, tradicionalmente, fica preso entre as demandas conflitantes da verdade e do poder. Ele gosta de ver a si mesmo como um homem que procura discernir a verdade, de dizer a verdade como ele a vê e de agir –coletivamente, onde pode, e sozinho, onde deve– para se opor à injustiça e à opressão e ajudar a trazer uma ordem social melhor.

Se ele escolher este caminho, provavelmente será uma criatura solitária, ignorada ou injuriada. Se, por outro lado, usar seu talento em serviço do poder, pode alcançar prestígio e riqueza.

Ele também pode ter sucesso em persuadir a si mesmo –talvez, de vez em quando, de forma justa–  que poderá humanizar o exercício do poder pelas “classes significativas”. Talvez espere se juntar a elas ou até mesmo substituí-las no papel da gestão social, no interesse supremo da eficiência e da liberdade.

O intelectual que aspira a esse papel pode usar a retórica do socialismo revolucionário ou da engenharia social para o bem estar social em busca de uma “meritocracia”, na qual o conhecimento e capacidade técnica conferem poder.

Ele pode representar a si mesmo como parte de uma “vanguarda revolucionária”, abrindo o caminho para uma nova sociedade, ou como um especialista aplicando “a técnica gradativa” para a gestão de uma sociedade que pode responder aos seus problemas sem mudanças fundamentais.

Para alguns, a escolha talvez dependa de pouco mais do que uma avaliação da força relativa dos diferentes interesses sociais. Não surpreende, então, que os papéis comumente mudem; o estudante radical se torna especialista no combate à insurgência.

Suas reivindicações devem, de qualquer modo, ser vistas com desconfiança: ele está propondo uma ideologia que serve a si própria, de uma “elite meritocrática” que, na frase de Karl Marx (aplicada, neste caso, para a burguesia), define “as condições especiais de sua emancipação [como] as condições gerais através das quais a sociedade moderna pode se salvar”.

O papel de intelectuais e ativistas radicais, então, deve ser o de analisar e avaliar, de tentar persuadir e organizar, mas não de tomar o poder e o governo. Em 1904, Rosa Luxemburgo escreveu: “Historicamente, os erros cometidos por um movimento verdadeiramente revolucionário são infinitamente mais proveitosos do que a infalibilidade do Comitê Central mais inteligente”.

Estas observações são um guia útil para um intelectual radical. Elas também fornecem um antídoto refrescante ao dogmatismo tão típico do discurso à esquerda, com suas certezas áridas e fervor religioso sobre questões que são tão pouco compreendidas -a contrapartida da esquerda autodestrutiva à superficialidade presunçosa dos defensores do status quo que percebem que os seus próprios compromissos ideológicos não passam daquilo que um peixe pode perceber ao nada no mar.

Os pensadores radicais sempre deram como certo, e com toda a razão, que a ação política eficaz que ameaça os interesses sociais arraigados levará a “confrontação” e à repressão. Assim, é um sinal de falência intelectual a esquerda buscar construir “confrontos”; é uma clara indicação de que os esforços para organizar a ação social significativa falharam.

É particularmente censurável a ideia de projetar confrontos de modo a manipular os participantes inconscientes a aceitarem um ponto de vista que não nasce da experiência significativa, da verdadeira compreensão. Isso não é apenas um testemunho à irrelevância política, mas também, precisamente por ser manipuladora e coercitiva, é uma tática adequada apenas para um movimento que visa manter uma forma elitista e autoritária de organização.

As oportunidades para os intelectuais tomarem parte de um verdadeiro movimento de mudança social são muitas e variadas, e eu acho que certos princípios gerais estão claros. Os intelectuais devem estar dispostos a enfrentar os fatos e absterem-se de erigir fantasias convenientes.

Eles devem estar dispostos a realizar o trabalho intelectual árduo e sério que é necessário para uma real contribuição para o entendimento. Eles devem evitar a tentação de se unirem a uma elite repressiva e devem ajudar a criar a política de massa que vai neutralizar -e, por fim, controlar e substituir- as fortes tendências de centralização e autoritarismo que estão profundamente enraizadas, mas não são inescapáveis.

Eles devem estar preparados para enfrentar a repressão e para agir em defesa dos valores que professam. Em uma sociedade industrial avançada, existem muitas possibilidades para a participação popular ativa no controle de grandes instituições e na reconstrução da vida social.

Até certo ponto, podemos criar o futuro, em vez de meramente observar o fluxo de eventos. Dados os riscos, seria criminoso deixar passar oportunidades reais inexploradas.

Tradutor: Deborah Weinberg.

 

“Isso é só o fim”

* In memoriam das crianças assassinadas em Sabra e Chatila

 

Quando atos ignóbeis são perpetrados inda

É mais abominável que o mundo não pare,

É mais infame que tudo não se acabe,

que as vozes não se calem

E que não voltemos todos

Cabisbaixos ao barro do qual fomos forjados.

Todos os sons do universo,

Desde a explosão primordial,

Deveriam silenciar-se de vergonha,

Deveriam recolher-se dizendo

Que nada, nunca, ninguém,

Deveria ter surgido de coisa alguma

e que, se surgiu, deveria

Esvanecer-se prontamente

Sepultada sobre sua própria infâmia,

Soterrada em gritos abjetos.

O nada seria melhor que um só humano

Testemunhar a evitável

interrupção da vida de curumim.

O vazio silencioso seria um alento,

Se era para macular,

Abominavelmente, a vida, assim.

Quando algo tão vergonhoso sucede,

Como o mundo pode seguir seu curso?

Depois dessa febre assassina,

Que nos leva à carnificina,

Deveria o mundo estacar!

O fim não pareceria tão ruim.

Sem nem lembrar que os homens

Vieram um dia a vida execrar,

A bonança reinaria sem par!

18-09-2012

*Marcelo Nova, Camisa de Vênus

Iniciado em 16 de setembro de 1982, o massacre de Sabra e Chatila foi o morticínio de refugiados civis palestinos e libaneses indefesos perpetrado pela milícia maronita liderada por Elie Hobeika após o assassinato do presidente eleito do país e líder falangista de extrema direita, Bachir Gemayel. O evento ocorreu nos campos palestinos de Sabra (صبرا, Sabrā) e Shatila (وشاتيلا, Shātīlā), situados na periferia de Beirute, a sul da cidade, área que se encontrava então sob proteção das forças armadas de Israel. Na época, a revista Veja tinha como seu correspondente no Líbano o repórter Alessandro Porro, judeu nascido na Itália e naturalizado brasileiro, que desmontou a alegação de que o exército de Israel não percebera a ocorrência do massacre. Porro chegou mesmo a contar os 183 passos que separavam os campos de refugiados e o quartel israelense, no que foi considerado um furo jornalístico. “Segundo o testemunho de um major do Exército libanês, confirmado pelo guardião da antiga Embaixada do Kuwait, uma unidade israelense com três tanques Merkava e pelo menos cinco blindados estava aquartelada a menos de 200 metros daquelas primeiras casas do setor sul de Chatila.

                         

Atenção recomendo prudência pois contém imagens fortes:

http://bigdogdotcom.wordpress.com/2012/09/17/remembering-sabra-and-shatila/