A ciência comprova: poesia é mais eficaz que autoajuda

Você já podia imaginar, mas agora está evidenciado cientificamente: ler poesia pode ser mais eficaz em tratamentos psicológicos do que livros de autoajuda. E mais: textos de escritores clássicos como Shakespeare, Fernando Pessoa, William Wordsworth e T.S. Eliot, mesmo quando de difícil compreensão, estimulam a atividade cerebral de modo muito mais profundo e duradouro do …

Continue lendo A ciência comprova: poesia é mais eficaz que autoajuda

Gazel do Amor Desesperado

Federico García Lorca, in 'Divã do Tamarit' A noite não quer vir para que tu não venhas, nem eu possa ir. Mas eu irei, inda que um sol de lacraus me coma a fronte. Mas tu virás com a língua queimada pela chuva de sal. O dia não quer vir para que tu não venhas, …

Continue lendo Gazel do Amor Desesperado

À Palestina

À Palestina, o sangue, que jorra das veias de seu povo, É esquecido, é ignorado. Até quando fingiremos que tudo é normal? Até quando viraremos as costas àqueles que sofrem de um grande mal? “Assim caminha a humanidade”, uns dizem. Outros permanecem calados, Enquanto seus filhos se esquivam da morte, sem Saber se seus passos serão …

Continue lendo À Palestina

Destaque

O grande equívoco de Jorge Luis Borges

É difícil imaginar o autor argentino como um rebelde, já que o senso comum acredita que ele era apenas um homem em sua biblioteca, um dândi alheio à política, em sua torre de marfim. Ele próprio dizia-se avesso à política e autodefiniu-se como um anarquista conservador. Contudo, sua vida e suas escolhas polêmicas dizem o …

Continue lendo O grande equívoco de Jorge Luis Borges

Destaque

É noite

De longe vem o som das pequenas criaturas da noite, meus irmãos. Aos ouvidos, chega com muito esforço O canto sombrio de um pássaro Que sai de seu repouso. Solitários um sapo e um grilo conversam, enquanto dormem seus iguais. Luzes ao longe parecem piscar, Mas é só o vento que balança as árvores que …

Continue lendo É noite

A arma

Serpenteio sobre o seu corpo inerte E sinto seus cílios roçarem meu braço. Estica seus braços, com eles me envolve. Ouço seu coração e, nisso, me refaço. Caio no lago dos seus olhos e, neles, nado. Corro por vales, montanhas, me embrenho em florestas, Descanso em seu regaço: Dali só saiu quando sua arma tiver …

Continue lendo A arma

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio. Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. (Enlacemos as mãos).   Depois pensemos, crianças adultas, que a vida Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa, Vai para um mar muito longe, para ao pé do …

Continue lendo Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio

Viver não é preciso

Navegadores antigos tinham uma frase gloriosa: "Navegar é preciso; viver não é preciso".   Quero para mim o espírito desta frase, transformada a forma para a casar como eu sou:   Viver não é necessário; o que é necessário é criar. Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso. Só quero torná-la grande, …

Continue lendo Viver não é preciso

Estrela da Manhã

Estrela da Manhã por Manuel Bandeira Eu quero a estrela da manhã Onde está a estrela da manhã? Meus amigos meus inimigos Pocurem a estrela da manhã Ela desapareceu ia nua Desapareceu com quem? Procurem por toda parte   Digam que sou um homem sem orgulho Um homem que aceita tudo Que me importa? Eu quero …

Continue lendo Estrela da Manhã

Eugênia Grandet

"Os avarentos não acreditam numa vida futura, o presente é tudo para eles. Esta reflexão joga uma horrível clareza sobre a época atual em que, mais que em qualquer outro tempo, o dinheiro domina as leis, a política e os costumes. Instituições, livros, homens e doutrinas, tudo conspira para solapar a crença numa vida futura, …

Continue lendo Eugênia Grandet