A arma

Serpenteio sobre o seu corpo inerte

E sinto seus cílios roçarem meu braço.

Estica seus braços, com eles me envolve.

Ouço seu coração e, nisso, me refaço.

Caio no lago dos seus olhos e, neles, nado.

Corro por vales, montanhas,

me embrenho em florestas,

Descanso em seu regaço:

Dali só saiu quando sua arma tiver descarregado.

Arma