É noite

De longe vem o som das pequenas

criaturas da noite, meus irmãos.

Aos ouvidos, chega com muito esforço

O canto sombrio de um pássaro

Que sai de seu repouso.

Solitários um sapo e um grilo conversam,

enquanto dormem seus iguais.

Luzes ao longe parecem piscar,

Mas é só o vento que balança as árvores

que ora escondem ora revelam o brilho

de pirilampos urbanos.

Esta noite tão agradável evoca outra noite mais duradoura!

Como o silêncio e a calma que antecipam a tempestade.

O mar recua tanto, que o seu solo se vê

antes de uma onda gigante.

Por um instante, o silêncio total do quebrar na areia da praia.

E depois o engolfar do mundo inteiro…

Agora também o calar de todas as vozes noturnas

Congela o coração, porque ele parece

Entender que esse é o seu destino.

Antes até de seu dono ter tempo para pensar

e de fazer uma prece por seu estacar repentino.

TGM

Teresópolis

 

 

Fanatismo

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida.
Meus olhos andam cegos de te ver.
Não és sequer razão do meu viver
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida…
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No mist’rioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!…

“Tudo no mundo é frágil, tudo passa…
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
“Ah! podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: princípio e fim!…”

Florbela Espanca, in “Livro de Sóror Saudade”

930px-Herbert_James_Draper,_Ulysses_and_the_Sirens