Incubus

Incubus

No vale, uma sombra esgueira-se pelo silencioso jardim,

Passa diante da solitária janela  do campo.

 

Do indefeso corpo cansado de colher

O sono logo se apossa.

 

A inocência do repouso perturbada.

Vitalidade dragada à exaustão.

Espírito de satisfação sedento e preso sob o peso

De encantos enganosos

De deleites incertos

De horripilante prazer,

Num diabólico festim.

 

Thaís GM

Incubus
Mulher dormindo

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s