Epônimos Divinos

Caesar van Everdingen - Four Muses and Pegasus on Parnassus - 1650

Caesar van Everdingen – Four Muses and Pegasus on Parnassus – 1650

Num insondável labirinto auricular, perdi minha língua

E em minha hélice deitaram-se doces palavras

A turbilhonar, mesmo quando as proferia sem pretensão.

 

 

Fui mortalmente ferida pelas oscilações de seu arco do cupido.

Escalar meu monte para em seguida se atolar

Em minhas covinhas de Vênus foi mais nefasto

Que me ferir o calcanhar de Aquiles.

 

 

De seu singelo céu da boca brotam,

Como de grutas escoiceadas, as águas da vida,

Aonde todas as ninfas vêm se banhar,

Nas horas quentes do dia.

 

 

Não me transformou em pedra por estarem

Abertas minhas meninas-dos-olhos

E, finalmente, atravessou triunfante o arco de minhas sobrancelhas.

Hilas e as Ninfas, de John William Waterhouse (1896)

Hilas e as Ninfas, de John William Waterhouse (1896)

~ por Thaís de Godoy em 29 dez 2012.

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: