Brinde A Baco

Brinde A Baco.  

Epônimos Divinos

Num insondável labirinto auricular, perdi minha língua E em minha hélice deitaram-se doces palavras A turbilhonar, mesmo quando as proferia sem pretensão. Fui mortalmente ferida pelas oscilações de seu arco do cupido. Escalar meu monte para em seguida se atolar Em minhas covinhas de Vênus foi mais nefasto Que me ferir o calcanhar de Aquiles. …

Continue lendo Epônimos Divinos

Esta noite ainda não acabou

O espectro da moça esmagada Não me persegue mais. Agora é você, meu fantasma, A me obsedar o sono.       É o resquício da ira, São as Fúrias a corroer meu crânio. Das paixões todas Essa é a mais voraz. Seu fogo custa a se esgotar. Mas como entender que em um mesmo …

Continue lendo Esta noite ainda não acabou