Canção do Tamoio

Embora não seja meu, ofereço esse poema a todos os meus alunos que nesse momento sofrem ou choram. Gonçalves Dias I Não chores, meu filho; Não chores, que a vida É luta renhida: Viver é lutar. A vida é combate, Que os fracos abate, Que os fortes, os bravos Só pode exaltar. II Um dia …

Continue lendo Canção do Tamoio

Percy B. SHELLEY (1792-1822)

The Flower That Smiles Today The flower that smiles today Tomorrow dies, All that we wish to stay Tempts and then flies, What is this world’s delight? Lightning, that mocks the night, Brief even as bright. Virtue, how frail it is! Friendship, how rare! Love, how it sells poor bliss For proud despair! But these …

Continue lendo Percy B. SHELLEY (1792-1822)

Se se morre de amor!

 Meere und Berge und Horizonte zwischen den Liebenden - aber die Seelen versetzen sích aus dem staubigen Kerker und treffen sich im Paradiese der Liebe. Schiller, Die Rüuber Se se morre de amor! — Não, não se morre, Quando é fascinação que nos surpreende De ruidoso sarau entre os festejos; Quando luzes, calor, orquestra e …

Continue lendo Se se morre de amor!

Ainda uma vez — Adeus

Gonçalves Dias I Enfim te vejo! — enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te, Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito penei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado A não lembrar-me de ti! II Dum mundo a outro impelido, Derramei os meus lamentos Nas surdas asas dos ventos, Do mar …

Continue lendo Ainda uma vez — Adeus