Belo belo

Manuel Bandeira Belo belo minha bela Tenho tudo que não quero Não tenho nada que quero Não quero óculos nem tosse Nem obrigação de voto Quero quero Quero a solidão dos píncaros A água da fonte escondida A rosa que floresceu Sobre a escarpa inacessível A luz da primeira estrela Piscando no lusco-fusco Quero quero …

Continue lendo Belo belo

A voz dos Botequins

VERLAINE A voz dos botequins, a lama das sarjetas, os plátanos largando no ar as folhas pretas, o ônibus, furacão de ferragens e lodo, que entre as rodas se empina e desengonça todo, lentamente, o olhar verde e vermelho rodando, Operários que vão para o grêmio fumando cachimbo sob o olhar de agentes de polícia, …

Continue lendo A voz dos Botequins

Sonho

Sonho Com o diabo se contorcendo, Ensanguentado  dos pés à cabeça, Como se tivesse saído de uma placenta. Ora corcoveava ora se esticava, Tentando ser liberado! Bem perto de mim. Bem longe de mim.   E alguém me dizia: _Pegue-o e leve-o a boca! Imaginei-me fazendo isso E, assim, ele se tornava Pequeno como um …

Continue lendo Sonho

Pico do Jaraguá

Assim fala a lenda: Quando as bandeiras balançavam rumo ao sertão, Mulheres subiam ao cume Dos joelhos do gigante adormecido Para, de lá, despedirem-se de seus amados, brandindo lençóis, Até que eles sumissem de suas vistas no horizonte.   Esperançosas de avistá-los ao longe, Ali, elas regressavam sucessivamente, Para dispor-se a receber cada qual seu …

Continue lendo Pico do Jaraguá

Sombra

Cada vulto que surge Chama você ao meu pensamento, Aparição assustada e assustadora! Eu canto o canto de criança que chora baixinho Para não acordar os irmãos. Escondo o rosto com as mãos pequeninas, Querendo que a sombra atrás do móvel Logo passe, não toque, não fale. Engula o nó da garganta, se for capaz! …

Continue lendo Sombra

Assassinato culposo

Fiquei tão feliz por, após tantos anos, te reencontrar. Surgiste como que por geração espontânea Em meu humilde lar; A ostentar tuas coloridas E pintalgadas e aladas partes Produzidas com delicada arte.   Se daí do teu céu _ se ele há _ puder me anistiar, Talvez, eu mesma consiga me perdoar por assassinar-te. Sem …

Continue lendo Assassinato culposo

Apenas palavras

As palavras são nada. Em si, carecem de sentidos, se não as escoltar os gestos. Assim o silêncio é louvável a alguns algures. Imprudência fiar-se no verbo, já que quem mente mergulha a todos em fantasia? Sonha que a todos ludibria? Para si, ciladas cria? Mas não ilude plenamente: há uma gota de verdade em …

Continue lendo Apenas palavras

ONE

    Homenagem à minha irmã Alcyone em seu aniversário. One, one, meu Deus! Quanto amor! Nem sei ter palavras para abarcar. Só me resta com seu nome brincar E assim recordar sua infância. All- começa com A de amigos que tinham preguiça de, a palavra inteira, pronunciar! Mesmo assim: por todos os olhares, Que atrai em …

Continue lendo ONE

Bem-te-vi

Bem-te-vi, vieste cantar À minha janela e brinco em meus pensamentos: _Por que nunca criaram Outros nomes semelhantes Para te fazer companhia? Para não ficares aí solitário, Passarinho sem irmãos Pelo nome e sobrenome?   Bem-te-vi, tu poderias Ter um amigo bem-te-ouvi E, para uma história se contar, Bem-te-vi; bem-te-toquei; bem-te-provei; E, por fim, bem-te-esqueci.   …

Continue lendo Bem-te-vi

Da ardósia

 Adiantaria lhe dizer Que o mais raro perfume É oferecido nos menores frascos? Ou que um bruto diamante, é reduzido ao ser lapidado, Até libertar seu lume E virar brilhante? Adiantaria falar que você é constituída Pela mesma matéria das estrelas? Que o macro contém o micro? Ou que até os maiores astros São formados por elementos tão …

Continue lendo Da ardósia