A voz dos Botequins

VERLAINE

A voz dos botequins, a lama das sarjetas,
os plátanos largando no ar as folhas pretas,
o ônibus, furacão de ferragens e lodo,
que entre as rodas se empina e desengonça todo,
lentamente, o olhar verde e vermelho rodando,
Operários que vão para o grêmio fumando
cachimbo sob o olhar de agentes de polícia,
paredes e beirais transpirando imundícia,
a enxurrada entupindo o esgoto, o asfalto liso,
eis meu caminho _ mas no fim há um paraíso.

(A voz dos botequins e outros poemas, trad. Guilherme de Almeida)

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s