Elegia VII – Arquíloco

Tradução de Vittorino de Falco de 1941, como se pode facilmente notar pelas escolhas lexicais desusadas. Hoje diriam no verso final: "pare de chorar feito mulherzinha!"