Perdão

Ser exposto é ser crucificado.

Todos temos um pouco

Do leão e do cordeiro,

Da vítima e do algoz.

Se alguém desfecha

sua ira sobre nós,

queremos esse alguém aniquilado.

Todos os dias pregamos

as mãos de alguém no madeiro,

Por isso o mito é eterno

E o homem pequeno.

 

Thaís de Godoy

Resposta

Nem tigre nem cordeiro, apenas eu,

A duras penas, e esse estranho dom.

Ao submundo, guiado pelo som,

Desceu Tamuz e depois dele Orfeu.

 

Eu nada resgatei. Um sono bom

Já me envolvia quando amanheceu

E a luz cegou-me com seu brilho ateu.

E, após toda cor tinha um novo tom.

 

Com que metro se mede o sofrimento?

Mitos morrem. Ninguém morreu por mim.

Sou só um homem, mas sou livre, sim.

 

Vislumbro os céus vazios e o momento

Cai, mais denso do que o que não tem fim.

A cruz apodrecida oscila ao vento.

 

RHC

 

Tréplica

Usar Orfeu, Osíris, céu, cruz e ser entendido seu sentido metafórico indica que esses mitos são atemporais enquanto sua memória for resgatada através da Arte e da História. Todas são referências culturais vivíssimas, ainda que para um número limitado de pessoas, (mas hoje basta “dar um Google”). Em outro sentido, o tema da ressurreição está presente em todos eles: eles morrem, mas voltam à vida ou quase, como Eurídice, se o Orfeu não pisasse na bola.

“O mito é o nada que é tudo”, você sabe de quem!

~ por Godoy em 9 ago 2017.

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: