Poesia II

Em meus sonhos, só para nós,

o tempo fica suspenso.

Em sonhos, ouço toda sua biografia:

Cada suspiro de saudade,

de prazer ou de dor

Cada gota de seu pranto

ou de seu suor, cada riso.

Todos os seus momentos dos quais

não fiz parte e dos quais fiz também,

Todos os seus passos sobre a terra

gravaria na pedra muito bem,

Para nem daqui a cem,

ou centenas de anos

a escuma de mares

bravios apagassem.

Mas o sentido profundo

de cada passo

entendido por nós só seria,

numa língua única.

Eu o transformaria

Em poesia.

Poesia

Até quando tudo será um pedaço de outra coisa?

Até quando velaremos fragmentos?

Cacos, puzzles inacabados e reticências?

Histórias sem meio nem final.

Tudo será sempre só o início

De algo que poderia ter sido?

Uma promessa?

Uma esperança?

O Nada

Ou pior que o nada:

Sugestões de coisas diversas

do que são na verdade.

O improviso de um amador

que se esqueceu como é viver

Quando sentiu que vivia.