Cântico negro

Cântico negro

José Régio

“Vem por aqui” — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: “vem por aqui!”
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali…
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos…
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: “vem por aqui!”?

 

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí…
Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

 

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?…
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos…

 

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios…
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios…
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

 

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: “vem por aqui”!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou…
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

 

0fdad-bogdan-panait-23

Dama

Stéphane Mallarmé

Soneto

Dama
sem tanto ardor embora ainda flamante
A rosa que cruel ou lacerada e lassa
Se deveste do alvor que a púrpura deslaça
Para em sua carne ouvir o choro do diamante

 

Sim sem crises de orvalho antes em doce alento
Nem brisa o fragor do céu leve ao fracasso
Com ciúme de criar não sei bem qual espaço
No simples dia o dia real do sentimento,

 

Não te ocorre, talvez, que a cada ano que passa
Quando em tua fronte se alça o encanto ressurreto
Basta-me um dom qualquer natural de tua graça

 

Como na alcova o cintilar de um leque inquieto
A reviver do pouco de emoção que grassa
Todo o nosso nativo e monótono afeto.

1887

ENT_Stephane-Mallarme-couleur

 

A uma mulher amada

Poemas de Safo de Lesbos
Safo, de Gabriel Rossetti

A uma mulher amada

Safo

Ditosa que ao teu lado só por ti suspiro!
Quem goza o prazer de te escutar,
quem vê, às vezes, teu doce sorriso.
Nem os deuses felizes o podem igualar.
Sinto um fogo sutil correr de veia em veia
por minha carne, ó suave bem querida,
e no transporte doce que a minha alma enleia
eu sinto asperamente a voz emudecida.
Uma nuvem confusa me enevoa o olhar.
Não ouço mais. Eu caio num langor supremo;
E pálida e perdida e febril e sem ar,
um frêmito me abala… eu quase morro… eu tremo!

Safo (Σαπφώ), em “Eros, tecelão de mitos: a poesia de Safo de Lesbos”. [organização e tradução Joaquim Brasil Fontes Júnior]. São Paulo: Estação Liberdade, 1991.

Perdão

Ser exposto é ser crucificado.

Todos temos um pouco

Do leão e do cordeiro,

Da vítima e do algoz.

Se alguém desfecha

sua ira sobre nós,

queremos esse alguém aniquilado.

Todos os dias pregamos

as mãos de alguém no madeiro,

Por isso o mito é eterno

E o homem pequeno.

 

Thaís de Godoy

Resposta

Nem tigre nem cordeiro, apenas eu,

A duras penas, e esse estranho dom.

Ao submundo, guiado pelo som,

Desceu Tamuz e depois dele Orfeu.

 

Eu nada resgatei. Um sono bom

Já me envolvia quando amanheceu

E a luz cegou-me com seu brilho ateu.

E, após toda cor tinha um novo tom.

 

Com que metro se mede o sofrimento?

Mitos morrem. Ninguém morreu por mim.

Sou só um homem, mas sou livre, sim.

 

Vislumbro os céus vazios e o momento

Cai, mais denso do que o que não tem fim.

A cruz apodrecida oscila ao vento.

 

RHC

 

Tréplica

Usar Orfeu, Osíris, céu, cruz e ser entendido seu sentido metafórico indica que esses mitos são atemporais enquanto sua memória for resgatada através da Arte e da História. Todas são referências culturais vivíssimas, ainda que para um número limitado de pessoas, (mas hoje basta “dar um Google”). Em outro sentido, o tema da ressurreição está presente em todos eles: eles morrem, mas voltam à vida ou quase, como Eurídice, se o Orfeu não pisasse na bola.

“O mito é o nada que é tudo”, você sabe de quem!