Canção do Tamoio

Embora não seja meu, ofereço esse poema a todos os meus alunos que nesse momento sofrem ou choram. Gonçalves Dias I Não chores, meu filho; Não chores, que a vida É luta renhida: Viver é lutar. A vida é combate, Que os fracos abate, Que os fortes, os bravos Só pode exaltar. II Um dia …

Continue lendo Canção do Tamoio

Se se morre de amor!

 Meere und Berge und Horizonte zwischen den Liebenden - aber die Seelen versetzen sích aus dem staubigen Kerker und treffen sich im Paradiese der Liebe. Schiller, Die Rüuber Se se morre de amor! — Não, não se morre, Quando é fascinação que nos surpreende De ruidoso sarau entre os festejos; Quando luzes, calor, orquestra e …

Continue lendo Se se morre de amor!

Ainda uma vez — Adeus

Gonçalves Dias I Enfim te vejo! — enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te, Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito penei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado A não lembrar-me de ti! II Dum mundo a outro impelido, Derramei os meus lamentos Nas surdas asas dos ventos, Do mar …

Continue lendo Ainda uma vez — Adeus