O Velho do Restelo – Camões

Eis a arenga do Velho do Restelo contra as viagens marítimas e a ambição desmedida e corrupção dos portugueses no livro Os Lusíadas de Luis Vaz de Camões, poeta português:

 

94

Mas um velho, de aspecto venerando,

Que ficava nas praias, entre a gente,

Postos em nós os olhos, meneando

Três vezes a cabeça, descontente,

A voz pesada um pouco alevantando,

Que nós no mar ouvimos claramente,

C’um saber só de experiências feito,

Tais palavras tirou do experto peito:

95

— “Ó glória de mandar! Ó vã cobiça

Desta vaidade, a quem chamamos Fama!

Ó fraudulento gosto, que se atiça

C’uma aura popular, que honra se chama!

Que castigo tamanho e que justiça

Fazes no peito vão que muito te ama!

Que mortes, que perigos, que tormentas,

Que crueldades neles experimentas!

96

— “Dura inquietação d’alma e da vida,

Fonte de desamparos e adultérios,

Sagaz consumidora conhecida

De fazendas, de reinos e de impérios:

Chamam-te ilustre, chamam-te subida,

Sendo digna de infames vitupérios;

Chamam-te Fama e Glória soberana,

Nomes com quem se o povo néscio engana!

97

— “A que novos desastres determinas

De levar estes reinos e esta gente?

Que perigos, que mortes lhe destinas

Debaixo dalgum nome preminente?

Que promessas de reinos, e de minas

D’ouro, que lhe farás tão facilmente?

Que famas lhe prometerás? que histórias?

Que triunfos, que palmas, que vitórias?

 

Partida das naus na praia do Restelo em Portugal e discurso da personagem da epopeia "Os Lusíadas" do poeta Camões
Partida das naus para as Índias da praia do Restelo em Portugal e discurso da personagem da epopeia “Os Lusíadas” do poeta Camões

Estrofes para uma dama com os poemas de Camões

English: Young Lord Byron
English: Young Lord Byron (Photo credit: Wikipedia)

George Gordon, Lord Byron

Este penhor votivo, apreço amável,

Talvez, menina! em mim possa estimar;

Ele canta, do amor, o sonho afável,

Tema que nunca iremos desprezar.

 

 

Quem o condena é o néscio invejoso,

Uma idosa donzela decaída;

Ou o êmulo em colégio aleivoso,

Sob a pena da mágoa esmaecida?

 

 

Então leia, menina! ao sentir leia,

Como aqueles você não há de ser;

A você em vão nada mais pleiteio

Em dó pelo poeta a padecer.

 

 

Ele deveras era um vero bardo;

Não era ele fictícia, fraca flama.

Dele, o amor seria teu resguardo,

Mas não igual teu desgraçado drama.

Deutsch: Lord Byron, britischer Poet
Deutsch: Lord Byron, britischer Poet (Photo credit: Wikipedia)

Mancebo

Jacó trabalhou como pastor para Labão
Durante sete anos para merecer a mão
de sua filha Raquel, serrana bela.
Mas se não a visse novamente,
antes de a Terra girar quatro
vezes mais ao redor do Sol,
Jacó, dela, se lembraria?

Tudo o que os olhos não viram,
naquela época remota da juventude,
o peito, agora maduro, ainda desejaria?
Nosso menino, ao crescer, nem das saias
De sua impúbere menina se esqueceu.

Ao contrário do pai de Raquel _que não
premiou Jacó, matando-o por dentro
ao entregar-lhe a outra filha mais velha, Lia,

_ o remendo das pontas soltas da vida
É o presente que receberá por sua espera.
Febre de mancebo dura a vida toda!

Thaís GM

06-09-2012

 

12181781

 

Contraponto a:

Trecho do texto de Gian Luca para ler o texto completo acesso o link – Clamor do Sexo

Poema de Wordsworth declamado por Deani no fim do filme:

“What though the radiance which was once so bright Be now for ever taken from my sight, Though nothing can bring back the hour Of splendour in the grass, of glory in the flower; We will grieve not, rather find Strength in what remains behind”

Tradução.

“O que de esplendor outrora tão brilhante agora seja tomado de minha vista para sempre. Apesar de que nada pode trazer de volta a hora de esplendor na relva, de glória numa flor, não nos afligiremos. Encontraremos forças no que ficou para trás.” Wordsworth