Diversão

Eu escuto uma música colorida Ela invade minha mente Eu quero dançar até amanhecer Pra não pensar em você Aumento o volume daquela música Eu dedilho minhas cordas Até meus dedos sangrarem Quero estourar minhas caixas Pra silenciar meus pensamentos A paisagem desliza ao nosso lado Correm montanhas Os rios passam voando Tento ler as …

Continue lendo Diversão

Fidel Castro e Guimarães rosa

27-11-2016 O falecimento de Fidel Castro e as discussões tão simplistas sobre esse ser tridimensional me fez relembrar muitos trechos do Grande Sertão Veredas que selecionei a seguir sobre como as pessoas e o mundo são muito mais complexos do que sonham os comentaristas das redes sociais. "Que isso foi o que sempre me invocou, o …

Continue lendo Fidel Castro e Guimarães rosa

Henri de Toulouse-Lautrec

Lautrec é um dos que mais merecem engajar-se neste boteco, teria inventado uma bebida chamada "Tremblement de Terre" (terremoto): uma mistura potente de 1/2 parte de absinto e 1/2 parte de conhaque, servido em copo de vinho sobre cubos de gelo ou batido com gelo em coqueteleira. É claro que ao beber isso e contrair sífilis não conseguiria …

Continue lendo Henri de Toulouse-Lautrec

Escute as melhores frases de Stephen Hawking – na voz do próprio

“O grande inimigo do conhecimento não é a ignorância, é a ilusão de ter conhecimento.” “The greatest enemy of knowledge is not ignorance, it is the illusion of knowledge.” “Eu não compararia [o prazer de uma descoberta científica] ao sexo, mas ele dura mais” “I wouldn’t compare it to sex, but it lasts longer.” Esta …

Continue lendo Escute as melhores frases de Stephen Hawking – na voz do próprio

O futuro perde o peso quando conjugado no passado

Coletivo Sincronistas

Não sou poeta, mas hoje a poesia nasceu em mim

Um dia
No futuro esfumaçado
Que não consigo vislumbrar
Cuja existência é certa, sabida
Ainda que estrangeira
Esse dia-hoje
De vestes banhadas em sol
Entranhas tingidas de caos
Não passará de um vestígio da memória
Um fio a se romper
Uma insignificância

Partícula de pó grudada na retina da lembrança

Um dia
O peso do hoje será leve

A fotografia desse céu azul
Se tingirá de sépia
Sem a tristeza das memórias feridas

A vida revisitada
Desenhará um sorriso saudoso
Uma gargalhada
Outrora impossível
Quando o futuro era apenas um hoje.


Publicado originalmente no Medium.

Ver o post original

Perspecticídio: a técnica de lavagem cerebral usada por manipuladores

É importantíssimo entendermos o que é lavagem cerebral e suas técnicas para podermos nos defender de pessoas manipuladoras. Essa técnica tem sido usada em diversos setores de nossa vida pública e privada: na religião, na política, no exército, em comerciais e até mesmo em relacionamentos afetivos. Haja vista o que tem acontecido com seguidores de …

Continue lendo Perspecticídio: a técnica de lavagem cerebral usada por manipuladores

Biblioteca Digital Mundial é lançada pela Unesco

A NOTÍCIA DO LANÇAMENTO NA INTERNET DA WDL, A BIBLIOTECA DIGITAL MUNDIAL. QUE PRESENTE DA UNESCO PARA A HUMANIDADE INTEIRA !!! Já está disponível na Internet, através do site  www.wdl.org É uma notícia QUE NÃO SÓ VALE A PENA REENVIAR MAS SIM É UM DEVER ÉTICO, FAZÊ-LO! Reúne mapas, textos, fotos, gravações e filmes de …

Continue lendo Biblioteca Digital Mundial é lançada pela Unesco

Somos Professores

Não sei a autoria deste texto, que está sendo divulgado nas redes sociais anonimamente. Como professora, eu me identifiquei totalmente com a mensagem. Somos professores e recebemos palpites e julgamentos de todo mundo. Do ministro da educação, do jornalista, do pai do aluno, das famílias. Aquela piadinha que o professor tem regalias, duas férias por …

Continue lendo Somos Professores

Epônimos Divinos

Poética de Botequim

Caesar van Everdingen - Four Muses and Pegasus on Parnassus - 1650 Caesar van Everdingen – Four Muses and Pegasus on Parnassus – 1650

Num insondável labirinto auricular, perdi minha língua

E em minha hélice deitaram-se doces palavras

A turbilhonar, mesmo quando as proferia sem pretensão.

Fui mortalmente ferida pelas oscilações de seu arco do cupido.

Escalar meu monte para em seguida se atolar

Em minhas covinhas de Vênus foi mais nefasto

Que me ferir o calcanhar de Aquiles.

De seu singelo céu da boca brotam,

Como de grutas escoiceadas, as águas da vida,

Aonde todas as ninfas vêm se banhar,

Nas horas quentes do dia.

Não me transformou em pedra por estarem

Abertas minhas meninas-dos-olhos

E, finalmente, atravessou triunfante o arco de minhas sobrancelhas.

Hilas e as Ninfas, de John William Waterhouse (1896)
Hilas e as Ninfas, de John William Waterhouse (1896)

Ver o post original