Destaque

Profissão professor

Desabafo de uma professora sobre as mudanças das regras na aposentadoria do magistério

Eu amo dar aulas, mas dar de 30 a 60 aulas semanais, como muitos de nós precisam fazer para se sustentar por 40 anos é desumano. Nossa profissão exige demais.

Alguns professores se esforçam muito para ensinar mais de 600 crianças e adolescentes semanalmente, alguns em mais de 3 escolas. Sem contar o trabalho nas horas vagas: preparo de aulas, correção de provas e trabalhos. O estresse se agrava porque sacrificamos nossas horas de lazer ao longo de todo ano letivo.

Continuamos sim, por amor à profissão. Afinal foi o que escolhemos, mas conforme os anos passam nossa paciência e energia vão se esgotando e doenças profissionais começam a aparecer. Minha mãe, por exemplo, adquiriu pelo menos quatro. Ela se aposentou, pela compulsória aos 70, sem saúde para desfrutar da aposentadoria.

Além dessas dificuldades, convivemos diariamente com o tráfico de drogas e a violência de e em todas as direções. Perdemos muitos alunos para o mundo que não lhes deu uma chance. Alguns também se matam quando as mordidas deste mundo lhes arrancam alguns pedaços imprescindíveis e faltam-lhes as forças para continuar.

O que muitos professores pensam é: o que eu não consegui fazer por eles? O sentimento de impotência é diário.

Muitos professores continuam na profissão pela gratificação de ver que alguns alunos conseguem alcançar os sonhos dele. Apesar disso, as dificuldades não resolvidas pesam ao longo de muito tempo, por isso muitos professores contam com a aposentadoria especial e precisam dela.

As mudanças que o governo pretende fazer nas regras para aposentar tiram nossas esperanças de conseguir suportar tais dificuldades numa fase da vida em que precisaríamos, no mínimo, reduzir muito nossa carga horária.

Portanto precisamos agora repensar se vale mesmo a pena continuar nessa carreira tão nobre, quanto desvalorizada e desrespeitada no Brasil. Neste momento, apesar das conquistas nos resultados do Idesp em nossa escola, que bateu sua meta em 120%, meu desejo é mudar de profissão.

GODOY

A paixão de ler