Rainer Maria Rilke

“ELEGIAS DE DUINO”, I e II (TRECHO) Por Rainer Maria Rilke Quem, se eu gritasse, entre as legiões dos Anjos me ouviria? E mesmo que um deles me tomasse inesperadamente em seu coração, aniquilar-me-ia sua existência demasiado forte. Pois que é o Belo senão o grau Terrível que ainda suportamos e que admiramos porque, impassível, desdenha destruir-nos? …

Continue lendo Rainer Maria Rilke

Guimarães Rosa

Excertos Grande Sertão Veredas “O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas.” “Viver é um rasgar-se e remendar-se.” "Sempre que se começa a ter amor a alguém, no ramerrão, o amor pega e cresce é porque, de certo jeito, a gente quer que isso seja, e vai, na ideia, querendo e ajudando, mas …

Continue lendo Guimarães Rosa

FORTUNA CRÍTICA DA OBRA DE RIMBAUD | Gaveta do Ivo

Chanson de la Plus Haute Tour Oisive jeunesse À tout asservie; Par délicatesse J’ ai perdu ma vie. Ah! Que le temps vienne Où les coeurs s’ éprennent. Je me suis dit: laisse, Et qu’ on ne te voi: Et sans la promesse De plus hautes joies. Que rien ne t’ arrête Auguste retraite. J’ …

Continue lendo FORTUNA CRÍTICA DA OBRA DE RIMBAUD | Gaveta do Ivo

Destaque

Na Palestina: O velho, a árvore, o ônibus

Poética de Botequim

À Abd Al-Hasib Atta Zaloum

Sobre o solo, jaz a carcaça do que um dia fora um ônibus.

Hoje, tornou-se abrigo do velho sem lar.

As estrelas no céu velam por eles à noite.

O frio passa pela vidraça estilhaçada,

Vem sorrateiro lhes acompanhar.

Assim que ficou pronta,

sua antiga morada foi demolida;

sua terra, por colonos, roubada.

Converteram-na em área de segurança.

Segurança para quem,

se o velho agora vive ao relento?

Não é o velho, de humanos, rebento?

Não necessita de segurança também?

É menos humano que as crianças da escola ali próxima?

Já que delas só recebe desdém?

Sob o sol escaldante, a sombra vem de uma árvore solitária.

A árvore de dia e o ônibus à noite são o seu reino,

Que nem o rei da Jordânia igual tem.

Como a vida que poderia ter tido foi interrompida,

Nesse solo só quer seus olhos cansados plantar

Ver o post original 9 mais palavras

Trinta e cinco

No Jaraguá, o homem deitado foi a única testemunha muda daquele encontro de duas almas puras. O imberbe garoto subiu a montanha para entregar-lhe um buquê de rosas vermelhas. Na esquina da casa da menina, de onde se avista todo o vale e o horizonte, aquele projeto de beijo tão macio e hesitante. Tudo tão …

Continue lendo Trinta e cinco