Por quê?

            Por que não ligo mais? Por que não ligo para minha honra? Por que perdi sonhos, Perdi a vergonha? Por que fujo de alcançar os fins, Se ainda estou no começo? Sei que posso, sei que sou capaz. Só preciso querer o que eu quero... Querer o que quero, …

Continue lendo Por quê?

Se se morre de amor!

 Meere und Berge und Horizonte zwischen den Liebenden - aber die Seelen versetzen sích aus dem staubigen Kerker und treffen sich im Paradiese der Liebe. Schiller, Die Rüuber Se se morre de amor! — Não, não se morre, Quando é fascinação que nos surpreende De ruidoso sarau entre os festejos; Quando luzes, calor, orquestra e …

Continue lendo Se se morre de amor!

Ainda uma vez — Adeus

Gonçalves Dias I Enfim te vejo! — enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te, Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito penei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado A não lembrar-me de ti! II Dum mundo a outro impelido, Derramei os meus lamentos Nas surdas asas dos ventos, Do mar …

Continue lendo Ainda uma vez — Adeus

Maria, Marias

Paisagem Imaginante. Pintura feita em 1941 por Guignard, é uma das emblemáticas composições do artista em que nuvens se fundem a montanhas e igrejas, numa versão de 'mundo flutuante' em que estabelece um diálogo artístico com o Oriente Maria, Maria sem dons nem magias Só uma pobre qualquer Que carece de alegrias, Mas hoje vou …

Continue lendo Maria, Marias

O operário que sonhava em ser poeta – parte I – In memoriam de Manir de Godoy

  Era uma vez um menino meio nômade, Que vivia entre o interior e a cidade grande. O pai morrera de gangrena. A mãe costureira sustentava com esforço seis filhos: Eupídio, Cássio, Dirce, Tó, Manir e Iracema. Vendedor de doces no cinema, engraxate, Chegou a operário de fábrica de chocolate. Nada fantástica era a vida …

Continue lendo O operário que sonhava em ser poeta – parte I – In memoriam de Manir de Godoy

Sonâmbulos

              Você não sente Que o que arranha A lousa fria e dela arranca faísca Não é nenhuma artimanha?   Você não sente Que à noite sonâmbulos executam Uma peregrinação errante? Que na ausência da mente, Só seus corpos exatos acertam o caminho que aspiram, enfim?   Você não …

Continue lendo Sonâmbulos