Noite na Taverna

NOITE NA TAVERNA Álvares de Azevedo MACÁRIO Onde me levas? SATAN A uma orgia. Vais ler uma página da vida, cheia de sangue e de vinho—que importa? MACÁRIO Eu vejo-os. É uma sala fumacenta. A roda da mesa estão sentados cinco homens ébrios. Os mais revolvem-se no chão. Dormem ali mulheres desgrenhadas, umas lívidas, outras …

Continue lendo Noite na Taverna

Duplo Carimbo

Quando insisto que preciso Ser as roupas que te envolvem, Ninguém entende o motivo. À tua pele estaria colada, Te revestindo, te protegendo Do frio, do sol, da chuva, De olhares que alhures Pudessem perturbar teu pudor E enciumar esta distante Imaginação que te perscruta. Ao me perfumar, teus doces bálsamos, Curariam a ânsia que me domina. …

Continue lendo Duplo Carimbo

Bizarro

Dói tanto em mim a dor da tua solidão, Dói tanto, que se, para ti, Tomasses outra pessoa qualquer, Através dela, sentiria que estamos juntos numa perfeita comunhão.   Como gêmeos que habitam o mesmo corpo Ou entidade que incorpora alguém, através dela, moveria meu ser E sentiria que tu me possuis também.     …

Continue lendo Bizarro

Requerer

  Como pedir a uma gota de chuva que se suspenda no ar? Como pedir, em pleno voo, às asas dos pássaros que parem de bater? Como pedir ao vento que pare de soprar? Ou a um rio que pare de correr;   Como solicitar a um tigre faminto que não devore sua presa? Ou …

Continue lendo Requerer