Cervejas artesanais brasileiras obtêm reconhecimento internacional | Agência Brasil

Vou procurar postar, de hoje me diante, informações positivas sobre o Brasil. Chega de escolher apenas notícias que nos rebaixam e só acabam com nossa autoestima! Chega de ter “complexo de vira-lata”, como nos descrevia Nelson Rodrigues para mostrar como nos rebaixamos diante de todos os outros países e dos estrangeiros. Chega dessa visão preconceituosa sobre nós mesmos pois incorporamos a visão racista e eurocêntrica sobre nós mesmos. Vamos divulgar o que o Brasil tem de melhor, mas ainda é desconhecido. Não estou falando de adotar um nacionalismo raso e sem críticas, mas sim de ter noção também de nossas coisas valorosas. Só assim seremos capazes de melhorar nossa vida e diminuir nossas mazelas. 

Godoy


O sucesso internacional de um estilo de cerveja cuja fórmula foi desenvolvida no Brasil é responsável pelo bom momento vivido pelas cervejarias artesanais no país. Desenvolvida por produtores de Santa Catarina a partir de um dos mais tradicionais estilos da Alemanha, a Berliner Weisse, a chamada Catharina Sour é a primeira receita tipicamente brasileira incluída no catálogo da Beer Judge Certification Program (BJPC).

Considerada uma das principais organizações mundiais de certificação de juízes cervejeiros, a BJPC publica um guia de estilos da bebida que serve de parâmetro para os produtores caseiros, artesanais e industriais. Com o reconhecimento da Catharina Sour, fabricantes de todo o mundo poderão inscrever seus produtos em concursos que julgam a qualidade da bebida. Em 2016, uma das primeiras cervejarias brasileiras a apostar na fórmula, a Blumenau, faturou uma medalha de prata no Prêmio Internacional de Cerveja da Austrália, uma das mais importantes competições da atualidade.

Para continuar a ler

via Cervejas artesanais brasileiras obtêm reconhecimento internacional | Agência Brasil

Conheça títulos considerados indignos de leitura por autoridades

da Livraria da Folha

Ditadores e fanáticos religiosos são os inimigos históricos dos livros. Queimar exemplares em praça pública, tentar bani-los ou condenar um autor à morte não é lá grande novidade. Estranho é quando um Estado democrático passa a coibir a sua comercialização. Parece que Luiz Felipe Pondé tem razão: “politicamente correto é censura fascista”.

Divulgação

No Brasil, mais de 900 mil livros foram comercializados em 80 dias
Trilogia erótica entra para a lista de “proibidões da literatura”

A apreensão de livros eróticos em Macaé (RJ) foi a mais recente de uma série. Lá, a Justiça do Rio de Janeiro do município, com ordem expedida pelo juiz Raphael Baddini de Queiroz Campos, retirou títulos considerados obscenos de duas livrarias.

O episódio, que ocorreu na segunda-feira passada (14), retirou e lacrou 64 exemplares. “Cinquenta Tons de Cinza”, “Algemas de Seda”, “50 Versões de Amor e Prazer” e “A Dama da Internet” estão entre os mais recentes “proibidões da literatura”.

Em breve, andar pelas ruas com um livro de Dalton Trevisan ou de Nelson Rodrigues pode acabar na delegacia.

No final de novembro do ano passado, a deputada distrital Celina Leão (PSD) encaminhou o pedido de suspensão da venda de “O Livro Maldito” à Procuradoria-Geral da República. A edição foi publicada no Brasil em 2011.

Divulgação

Autor promete contar tudo o que você precisa saber se não for uma mané
Autor se fundamenta no nonsense para criar a cartilha do crime

Escrito pelo publicitário norte-americano Christopher Lee Barish, o texto é inspirado em “Grand Theft Auto” (GTA), um game no qual o protagonista se envolve em diversas atividades criminosas. Barish explica como produzir um filme pornô, abrir cofres, fazer ligação direta em carros e assaltar bancos.

Fora do Brasil, a Comissão Coreana de Ética Editorial proibiu a venda e ordenou a destruição dos exemplares de “Os 120 Dias de Sodoma”, escrito por marques de Sade no século 18 e publicado recentemente na Coreia do Sul.

O clássico apresenta linguagem mais obscena e descrições de atos sexuais mais polêmicos que os presentes na trilogia erótica “Cinquenta Tons de Cinza”. Considerado a obra-prima do marquês, o texto foi dado como perdido e publicado apenas no início do século 20. O romance inspirou “Salò” (1975), filme de Pier Paolo Pasolini (1922-1975).