A noite dissolve os homens

Carlos Drummond de Andrade A noite desceu. Que noite! Já não enxergo meus irmãos. E nem tão pouco os rumores que outrora me perturbavam. A noite desceu. Nas casas, nas ruas onde se combate, nos campos desfalecidos, a noite espalhou o medo e a total incompreensão. A noite caiu. Tremenda, sem esperança... Os suspiros acusam …

Continue lendo A noite dissolve os homens

Relógio do Rosário

Relógio do Rosário Carlos Drummond de Andrade Era tão claro o dia, mas a treva, do som baixando, em seu baixar me leva pelo âmago de tudo, e no mais fundo decifro o choro pânico do mundo, que se entrelaça no meu próprio chôro, e compomos os dois um vasto côro. Oh dor individual, afrodisíaco …

Continue lendo Relógio do Rosário

O Medo

Carlos Drummond de Andrade   Em verdade temos medo. Nascemos no escuro. As existências são poucas; Carteiro, ditador, soldado. Nosso destino, incompleto.   E fomos educados para o medo. Cheiramos flores de medo. Vestimos panos de medo. De medo, vermelhos rios vadeamos.   Somos apenas uns homens e a natureza traiu-nos. Há as árvores, as …

Continue lendo O Medo

Congresso Internacional do Medo

Congresso Internacional do Medo Carlos Drummond de Andrade   Provisoriamente não cantaremos o amor, que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos. Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços, não cantaremos o ódio, porque este não existe, existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro, o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos, o …

Continue lendo Congresso Internacional do Medo

No mármore de tua bunda

Carlos Drummond de Andrade   No mármore de tua bunda gravei o meu epitáfio. Agora que nos separamos, minha morte já não me pertence. Tu a levaste contigo.  .................................................................................................... Roteiro "As mais belas bundas do Louvre"

Consolo na Praia

Carlos  Drummond de Andrade   Vamos, não chores. A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis carro, navio, terra. Mas tens um cão. …

Continue lendo Consolo na Praia

Poema de Sete Faces

Quando nasci um anjo torto desses que vive na sombra disse: Vai, Carlos! Ser gauche na vida. As casas espiam os homens Que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, Não houvesse tantos desejos. O bonde passa cheio de pernas: Pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. …

Continue lendo Poema de Sete Faces