Escritor colombiano percorre o continente em busca de poetas inéditos

Santiago do Chile é a terceira cidade que visita buscando poetas. Depois parte ruma ao Uruguai

Partiu em janeiro deste ano e estima que toda a viagem levará cerca de dois anos. O projeto é chamado “Em busca de Poetas” e consiste em fazer uma turnê pela América Latina em busca de poetas inéditos, com os quais finalmente  será publicado um livro.

Texto de Marco Fajardo, trad. livre de Thaís de Godoy Morais

O escritor colombiano Eduardo Bechara está atualmente em Santiago, sua parada número 33 de 141 pontos, em sua viagem que o fará viajar da Patagônia até Caracas, em busca de poetas inéditos para publicação de uma antologia latino-americana.

Em uma tarefa titânica, no caso do Chile, Bechara esteve em cidades como Los Angeles ou Ancud para entrevistar autores locais e conhecer as suas criações. Agora está em Santiago (já se comunicou com José Ángel Cuevas e Antonio Rioseco).

Ele saiu em janeiro deste ano e estima-se que todo o trajeto lhe tomará cerca de dois anos. O projeto “Em busca de poetas” pretende coletar dois mil poemas em um percurso de 26 mil quilômetros. Bechara não procura qualquer poeta, mas aqueles para quem “a poesia é parte integrante de suas vidas”.

O autor, que estudou direito e literatura na Universidade dos Andes, na Colômbia, também tem planos de publicar uma antologia de poetas consagrados e um terceiro livro com suas experiências de viagem (pode ser lido em

http://eduardobecharanavratilova.blogspot.com).

Projeto

O projeto surgiu em 2010, quando Bechara estava em Córdoba, Argentina, visitando outro Eduardo Bechara que surpreendentemente também é escritor e inclusive se parece fisicamente, embora eles não sejam parentes.

“Falávamos do pouco reconhecimento dado aos artistas em geral e aos poetas em particular. Nós tínhamos experimentado na pele a forma que, quando nos assumimos como artistas, como escritores, começaram a nos ver com olhos diferentes, desconfiados, porque, quando uma pessoa assume uma vida diferente, fora do cotidiano, e fora do que a sociedade quer impor, as pessoas, que fazem parte desse sistema começam a olhar de forma depreciativa ou pejorativa. Entre outras coisas porque também não te entendem qual é a sua luta, e te olham como um pobre diabo, porque você não tem os meios, não tem dinheiro, sua vida não está destinada a enriquecer”, explica.

Foi, então, que começamos a fantasiar com a ideia de uma viagem pela América do sul “buscando poetas e dando-lhes o reconhecimento que merecem, dizendo-lhas ‘olhe, o que você faz é importante e aqui estou eu entrevistando e falando com você para que saiba disso’ dando-lhes o crédito que merecem”.

“Os poetas são importantes para mim porque são seres capazes de ver mais além do evidente” acrescenta. “Vão ao centro das coisas e desentranham suas verdades. O fato de que ninguém lhes dê reconhecimento, ou pior, até mesmo, os vejam com maus olhos ao invés de apreciá-los, me faz reivindicá-lo.”

Quixotesco

 De volta à Colômbia, Bechara montou um projeto e saiu em busca de financiamento entre empresas que podiam trocar por isenção fiscal. E obteve êxito: uma delas, Pavimentos Colômbia, lhe deu apoio para sua “quixotesca” ideia, da qual podia sair “algo muito bonito”, segundo executivos.

Foi assim que Bechara voou a Buenos Aires. Graças a duas publicações ali já possuía uma rede de amigos do meio literário e através do Facebook pode difundir a ideia do projeto. Uma poetisa local, Viviana Abnur, lhe deu alguns contatos patagônicos e então voou a Ushuaia, no extremo sul da Argentina, para começar seu trabalho.

Os métodos de busca vaiam de uma cidade para outra. “Se conheço os poetas mais representativos do local, deixo que eles me levem aos inéditos. Se não conheço nenhum vou à Casa de Cultura ou às bibliotecas. Ali me ajudam a entrar em contato com eles”, comenta Bechara.

Em geral, tem funcionado  da seguinte forma: os poetas mais conhecidos o apresentam a outros inéditos. Foi justamente o contato constante e quase imprescindível com os primeiros o que fez com que Bechara decidisse criar um segundo livro, uma antologia dos consagrados. Isso fez com que se decidisse a estender o projeto que era de seis meses a um ano para pelo menos dois anos.

Bechara cruzou o Chile por Osorno em 10 de julho e, depois de visitar Chiloé, começou a subir até chegar a nossa capital (passou por Puerto Montt, Puerto Varas, Valdivia, Pucón, Villarrica, Temuco, Concepción, Los Ángeles, Chillan, Talca, San Fernando e Santa Cruz). Em Santiago ficará umas três semanas para ver ao menos cem poetas. Logo se dirigirá a Viña del Mar e Valparaíso.

Posteriormente, voltará à Argentina para ir à Mendonza e Buenos Aires e depois a Montevidéu. Seguirá para Paraguai, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia e finalmente a costa venezuelana.

A ideia é que, quando termine a viagem e a compilação do material, um jurado internacional, integrado pelos poetas colombianos Eduardo Escober, Elkin Restrepo e os argentinos Fernando Noi, Santiago e Gaciela Cros, selecione os poemas e que em cada país uma editora independente publique a antologia.

Os poetas chilenos

De que falam os poetas, ao menos os que conheceu até agora?

Um dos principais temas são as circunstâncias da ditadura.No Chile, na poesia a ditadura se assume como um desses terremotos que sacode o território chileno, da mesma forma que a sociedade foi fragmentada” diz. “isso é muito repetido entre diferentes poetas”

Outros temas são “o feminino, o feminista, o gay”, assim como “o mapuche” (Bechara falou com diversos poetas mapuches, como Elicura Chihuailaf, Roxana Miranda, Lionel Lienlaf, Javier Milanca, Cristián Antillanca, e espera encontrar com Jaime Huenún) e o lírico (a volta à infância, a melancolia das perdas como na obra de Jorge Teillier) . Neste último tema se destaca Bernando Gonzalez Koppmann, um poeta de Los Angeles, em Talca.

Para Bechara uma das características da poesia chilena é “que vai direto às feridas, sem palavras suaves. Não utiliza eufemismos, a não ser para chamar as coisas por seu nome. Não lhe interessa usar suavizantes, como ocorre em outros lugares da América Latina. Aqui, quanto mais se põe o dedo na ferida melhor”.

santiago_chile

~ por Thaís de Godoy em 10 out 2013.

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: