Liberato

Zeus, por favor, me cubra;
Por piedade me cubra com seu manto protetor no frio!
No calor me cubra com sua chuva refrescante.
Nas viagens me cubra com suas acolhedoras penas.
Por favor, por amor me proteja de toda a dor, de todo mal.
Senão juro, por Juno, enlouquecerei e sairei rumo ao Oriente desnudo
Até mil lobos me estraçalharem,
Como minhas seguidoras fizeram a Orfeu
Ou talvez não.

Talvez seja curado por Cybelle.
Talvez meu vinho embebede as turbas.
Talvez triunfe sobre Tebas,
Talvez fique e desfile pelas avenidas no carnaval
E crie o drama, a tragédia e a comédia.
Amém!

masks-1879572_1280

 

Três traduções de poemas de Alceu de Metilene- Fragmento 96 Diehl

English: King of the Gods, Zeus, at the Getty ...
English: King of the Gods, Zeus, at the Getty Villa. Roman, Italy, A.D. 1 – 100. (Photo credit: Wikipedia)

Fragmento 96 Diehl

bebamos!

não fazem falta lâmpadas!

basta um dedo de dia para as grandes

copas multiadornadas vamos

ergue-as! o

filho de sêmele e zeus

diôniso

nos deu aos homens vinho

lassidão contra a dor – olvido:

a cada parte de água duas

só de vinho assim

plenas até a borda

bebamos –

uma após a outra – copas

e mais copas!

Tradução de Haroldo de Campos

………………………………………………………………………………

Bebamos! Porque aguardamos as lucernas? Já só há

Um palmo de dia. Retira, célere, dos pregos, as grandes taças.

O vinho que dissipa aflições, doou-o aos homens o filho

de Zeus e Sémele. Deita-o nas taças, uma parte para duas,

cheias até à borda, e que um cálice

empurre o outro.

Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira

………………………………………………………………………………

Bebamos! Por que a noite e as tochas aguardamos?

Estala, é um polegar tão breve o dia!

Pega, meu belo, as coloridas, grandes taças

Pois que o filho de Sêmele e Zeus

O vinho vela-mágoa para os homens deu.

Mistura e versa um terço de água em dois de vinho,

E jorra ao copa até que a espuma ensope a borda,

E quando um copo seca, o próximo transborde.

Tradução: Antônio Medina Rodrigues.

(Fr.346 Lobel-Page)

Para conhecer mais traduções de poetas clássicos: Primeiros escritos

 

Zeus with a laurel crown. Gold stater from Lam...
Zeus with a laurel crown. Gold stater from Lampsacus, Mysia (ca. 360–340 BC), obverse. (Photo credit: Wikipedia)