Olhos caramelo

Por trás de seus olhos caramelo,
Eu vislumbrei o segredo do mundo
Devia dar as costas e fugir
Do esplendor sinistro.
Como despertar para uma verdade insuportável?
Negando, negando, negando
Como fez aquele discípulo...

O coração da treva nos cega.

Mas a doçura desses olhos derreteu meu medo
Como um canto irresistível que arrasta àquele abismo onde toda esperança é abandonada no umbral das almas.

Então, compreendi ao menos um enigma: antes ser arrastado pelo turbilhão dos tempos
A parar impassível observando os ventos.