Lya Luft, R.I. …

O falecimento de Lua Luft é mais uma triste notícia fechando o ano de 2021.

Não posso, por seu falecimento, esquecer minha decepção ao saber em quem ela votou, mesmo que ela tenha se arrependido depois. Tentei de todas as formas compreender tal escolha, por ela ser quem é, por seus textos sempre me acolherem, por admirá-la. Confesso que não consegui. Meu fracasso em tal tentativa me deixou muito frustrada. Então, comecei a ler artigos sobre esse tema.

Colo aqui o argumento de Rodrigo Casarin, colunista da UOL, sobre artistas e seus posicionamentos políticos:

“Rachel de Queiroz* defendia a ditadura militar. Gabriel García Márquez morreu passando pano para os crimes contra a humanidade cometidos por Fidel Castro. Jorge Luis Borges, que sempre me pareceu um palerma político, vivia sob o quepe dos oficiais argentinos que sequestravam, matavam e jogavam corpos de opositores no mar. O francês Céline é mais lembrado pela afeição ao nazismo do que por seus livros.

É bobagem pensar que arte e cultura são coisas de esquerda, como muitos insistem em vociferar. É coisa de gente. Sendo assim, nessas áreas encontramos pessoas de todo o espectro político. Se por acaso os pensamentos progressistas parecem maioria, que bom, são eles que podem fazer do mundo um lugar mais humano, mais plural, mais democrático. Um mundo livre até para outro artista cravar seu voto em quem ataca tudo isso. Entendo o arrependimento de Lya, só não compreendo o tom de surpresa com o governo que ajudou a eleger.”

Discordo desse ponto de vista porque vivemos em outros tempos, muito diferentes das épocas de Celine, Borges e Queiroz em que muitos equívocos poderiam ser atribuídos à propaganda, à desinformação (que sempre existiu, as “fakes news” não são invenção recente) ou até mesmo a uma ambição do artista tentando sobreviver em meio aos donos de um mundo sem opções e repressivo. O medo da prisão e valores já superados também podem ter persuadido muitos autores a cooperarem com ditaduras.

Hoje temos teóricos da comunicação, que revelam a manipulação midiática pelos poderosos, temos mais opções, liberdade de votar e uma artista da linguagem não pode mais cometer tais equívocos sem se sentir responsável pelas consequências de suas escolhas, dado ao alcance de suas palavras potencializado pela Arte, seja de direita ou de esquerda. O artista deve ter sim um compromisso com valores mais humanos e menos individualistas.

Descanse Lya, talvez em paz…

* O que torna praticamente impossível evitar a triste conclusão de que apenas por apoiar a ditadura militar, Raquel de Queiroz, uma ex-trotskista, tenha sido a primeira mulher a ser aceita na Academia Brasileira de Letras em 1977.

Um comentário sobre “Lya Luft, R.I. …

Seu comentário será muito bem-vindo

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s